Dilma diz que governo investe R$ 32 bi contra a seca

Por Agência Estado |

compartilhe

Tamanho do texto

Presidente disse que país tem condições de controlar os efeitos da seca no Nordeste

Agência Estado

Em entrevista a rádios do Ceará nesta quarta-feira, a presidente Dilma Rousseff afirmou que o governo está investindo R$ 32 bilhões em obras do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) contra a seca no Nordeste. A presidente reiterou a necessidade de medidas estruturantes contra a seca, "que são aquelas que garantem segurança hídrica", afirmou Dilma Rousseff. "Estamos fazendo R$ 32 bilhões em obras do PAC como barragens, adutoras, açudes e a maior obra de todas que é a integração do São Francisco."

Apoio: Dilma prorroga prazo de dívida em regiões de seca

Roberto Stuckert Filho/PR
A presidente Dilma Rousseff em visita ao Ceará

A presidente voltou a falar de medidas já anunciadas na terça-feira (02), na reunião da Sudene, em sua visita ao Estado. Entre elas, investimentos emergenciais como a operação de carro pipa no Nordeste, a ampliação do número de cisternas, a prorrogação do prazo do Bolsa Estiagem e do seguro Garantia Safra. "São mais de 1,5 milhão de agricultores recebendo esses dois benefícios", afirmou nesta manhã a presidente.

Outra ação anunciada na terça-feira (02) e que a presidente reafirmou nesta quarta-feira foi a continuidade da venda de milho a preços subsidiados para os agricultores (R$ 18) e mencionou a necessidade de aumentar a estocagem de milho no Nordeste, para evitar a falta de abastecimento nas secas. "Vamos combinar medidas estruturais com medidas emergenciais", disse a presidente, que voltou a falar também sobre a prorrogação do pagamento das dívidas dos agricultores familiares.

Leia também:

Dilma rebate críticas de que só investe em obras emergenciais no combate à seca

Presidente afaga fazendeiros e evita manifestação macabra

"O que estamos fazendo é combatendo os efeitos da seca. A seca é um fenômeno climático e vamos ter de conviver com ela", afirmou a presidente, que disse ainda que o País tem condições de controlar os efeitos da seca e que chegaremos na "fase da convivência" com a estiagem na região. "Temos condições de controlar os efeitos da seca no Nordeste." A presidente disse ainda que o Departamento Nacional de Obras Contra as Secas (Dnocs) não será transferido do Ceará para Brasília.

Leia tudo sobre: DilmaCearáSecaNordeste

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas