Sobre a declaração de que o colegiado era dominado por 'satanás', deputado justificou que a frase fazia referência a adversários e foi dita em um ambiente espiritual

O pastor e deputado Marco Feliciano (PSC-SP) justificou sua declaração de que antes dele a Comissão de Direitos Humanos era dominada por satanás dizendo que falava em um ambiente espiritual. Ele disse se sentir "livre" para continuar o trabalho no comando do colegiado.

Leia mais: Deputada pede abertura de processo contra Feliciano

Enquete do iG: Feliciano deve deixar a Comissão de Direitos Humanos

Vídeo: Feliciano diz que Comissão de Direitos Humanos era dominada por ‘satanás’

Leia também: Do mesmo partido que Feliciano, vice diz que vai renunciar

"Eu não disse nome de ninguém. Eu estava no culto, num ambiente espiritual. Eu falava sobre situações espirituais. Se vocês assistirem ao vídeo, minutos depois, eu falei que a comissão fez um seminário com apologia ao sexo para crianças de zero até seis anos. Isso para quem é espiritual não é coisa de Deus. E se não é coisa de Deus é do adversário. Satanás significa adversário. No culto, eu tenho liberdade de expressão", disse o deputado, que participa nesta terça-feira de uma reunião da bancada do PSC.

Mesmo pressionado, Marco Feliciano diz que se sente livre para continuar na Comissão de Direitos Humanos
Alan Sampaio / iG Brasília
Mesmo pressionado, Marco Feliciano diz que se sente livre para continuar na Comissão de Direitos Humanos

Dentro da comissão: Maioria dos membros defende renúncia de Feliciano

Sem apoio: Maioria dos líderes partidários defende renúncia de Feliciano

Partido: PSC diz que Feliciano é 'ficha limpa' e fica na Comissão de Direitos Humanos

Confusão: Feliciano manda deter manifestante que o chamou de racista

Com base nas declarações, a deputada Iriny Lopes (PT-ES), ex-ministra da Secretaria das Mulheres e ex-presidente da Comissão de Direitos Humanos da Câmara, protocolou nesta terça-feira na Mesa Diretora da Casa um requerimento pedindo a abertura de processo por quebra de decoro parlamentar contra o atual presidente do órgão colegiado, deputado Pastor Marco Feliciano (PSC-SP). 

Iriny argumenta que as declarações de Feliciano – de que antes da chegada dele à presidência do colegiado a CDHM era “dominada por satanás” – ferem o decoro parlamentar. “É inaceitável que um deputado faça esse tipo de declaração, ferindo a honra e a imagem dos nobres colegas que atuam, com dedicação e firmeza, para a promoção e valorização dos diretos humanos”, disse a deputada no requerimento.

Feliciano informou que colocará em votação nesta quarta-feira, na Comissão de Direitos Humanos, o requerimento para que realize uma viagem para a Bolívia para discutir a situação dos 12 torcedores corintianos presos naquele País.

Com Agência Estado


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.