Anistia Internacional diz que escolha de Feliciano é 'grave' e 'inaceitável'

Por Agência Estado |

compartilhe

Tamanho do texto

Em nota, entidade apela para a substituição do deputado na presidência da Comissão de Direitos Humanos na Câmara

Agência Estado

A pressão pela saída do pastor e deputado federal Marco Feliciano (PSC-SP) da presidência da Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara aumentou nesta segunda-feira com o apelo da Anistia Internacional pela substituição dele. Em nota, a entidade disse ser "inaceitável" a escolha de Feliciano para o cargo, diante das "posições discriminatórias em relação à população negra, LGBT e mulheres".

Protestos: Feliciano preside por apenas 8 minutos mais uma sessão tumultuada

Poder Online: Bolsonaro solta língua e xinga manifestantes; assista

Pauta positiva: Sob pressão, Feliciano vai à Bolívia para acompanhar corintianos

Agência Câmara/Divulgação
Pastor Marco Feliciano, deputado do PSC que preside a Comissão de Direitos Humanos

A Anistia destaca ainda que "é grave que (Feliciano) tenha sido alçado ao posto a despeito de intensa mobilização da sociedade em repúdio a seu nome". Destaca a importância de que os integrantes da comissão "sejam pessoas comprometidas com os direitos humanos e possuam trajetórias públicas reconhecidas pelo compromisso com a luta contra discriminações e violações". A entidade internacional criticou o motivo da nomeação de Feliciano para o cargo, alegando que "direitos fundamentais não devem ser objeto de barganha política ou sacrificados em acordos partidários".

Artistas, políticos, líderes religiosos e movimentos sociais contrários à permanência de Feliciano na presidência da comissão programaram um ato, na noite desta segunda-feira, na Associação Brasileira de Imprensa (ABI), no centro do Rio, em defesa da "Comissão de Direitos Humanos para tod@s" e contra o "projeto político de intolerância que a presidência do pastor Marco Feliciano representa para o Congresso e para os brasileiros".

Leia mais:

Deputados irão à Justiça contra Feliciano por divulgação de vídeo

Pastor Feliciano divulga vídeo com ataque a opositores

Mesmo sob pressão, Feliciano diz que fica na Comissão de Direitos Humanos

O deputado Jean Wyllys (PSOL-RJ), um dos organizadores do evento, disse que o silêncio dos potenciais candidatos à presidente na eleição de 2014 "é muito significativo". "Eles sabem o quanto a temática em torno das minorias é estratégica. Não querem se comprometer. Ignorar esse movimento é inadmissível", criticou.

O deputado estadual Marcelo Freixo (PSOL), presidente da Comissão de Defesa dos Direitos Humanos da Assembleia Legislativa do Rio (Alerj), disse que "assistimos estarrecidos e com grande preocupação a um imenso retrocesso na Câmara Federal com a indicação do deputado federal Marco Feliciano (PSC) para a presidência da Comissão de Direitos Humanos e Minorias." Estava prevista a presença do cantor Caetano Veloso, do ator Wagner Moura, da atriz Leandra Leal, entre outros artistas no ato na ABI.

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas