Comissão da Verdade pode investigar papel dos EUA na repressão

Por Agência Estado |

compartilhe

Tamanho do texto

Órgão de São Paulo enviará solicitação com base em denúncias sobre a presença de americanos nas sessões de interrogatórios dos presos políticos

Agência Estado

A Comissão da Verdade de São Paulo está convencida de que o envolvimento de agentes diplomáticos dos Estados Unidos com a ditadura militar (1964-1985) foi mais direto do que se imagina. Por causa disso, seus integrantes vão enviar à Comissão Nacional da Verdade uma solicitação para que analise mais detidamente as denúncias sobre a presença de americanos nas sessões de interrogatório de presos políticos.

Zorro: Espião uruguaio pode desvendar mistério de agente duplo da ditadura

Leia mais: Documentos traçam perfil dúbio de ‘Zorro’

Zorro: ‘Evidências de traição eram muito fortes’, diz ex-companheiro

A decisão foi tomada ontem após depoimento do ex-deputado federal Ricardo Zarattini (PT-SP) durante uma audiência pública da comissão. Ele recordou que, em 1969, quando esteve preso no Recife, na sede do Departamento de Ordem Política e Social (Dops), foi interrogado na presença de dois funcionários do consulado americano. Um deles era Richard Huntington Melton, que mais tarde se tornou embaixador dos EUA no Brasil.

Reparação: Família de Herzog recebe atestado de óbito que declara morte sob tortura

Segundo Zarattini, o interrogatório ocorreu após várias sessões de tortura. "Os dois não me torturaram", esclareceu. "Um deles me perguntou: ‘Por que você é contra os Estados Unidos?’ Eu respondi que não era contra os Estados Unidos, mas contra o imperialismo".

Zarattini militava no Partido Comunista Revolucionário e tentava organizar um movimento de guerrilha rural na zona canavieira pernambucana. Depois do interrogatório, disse ontem, não viu mais os americanos.

Só foi saber que um deles era Melton em 1989, quando foi nomeado embaixador e os jornais publicaram fotos dele. O caso provocou polêmica na época e a aceitação da nomeação, o chamado agreement, demorou mais que o usual. Segundo informações obtidas por Zarattini, o Itamaraty teria consultado o Ministério da Justiça, que afirmou não haver indicação do envolvimento de Melton com o Dops.

A Comissão Estadual vai oficiar a Comissão Nacional e a Comissão Helder Câmara, de Pernambuco, para que seja investigado de maneira mais detalhada o envolvimento de Melton com a repressão. "A participação do agente diplomático no interrogatório é gravíssima", disse ontem Amélia Telles, assessora da comissão. "E esse caso não é único."

Zarattini disse que decidiu rever o caso de Melton após a leitura de reportagem do Estado, publicada em fevereiro, revelando que um agente do consulado americano em São Paulo era frequentador assíduo do Dops paulista.

Leia tudo sobre: Comissão da VerdadeDitaduraEUARepressão

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas