Família de Zorro diz ter esperança de encontrar agente duplo da ditadura vivo

Por Vasconcelo Quadros , iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Irmãos vão pedir às Comissões da Verdade que esclareçam desaparecimento: ‘Não sei se ele foi mocinho ou bandido. O que queremos é a verdade’, diz o mais novo

A família tem esperanças que Gilberto Faria Lima, o Zorro, militante da luta armada desaparecido há quarenta anos e suspeito de ter se tornado colaborador dos órgãos da repressão durante a ditadura militar esteja vivo. “Tinha três anos quando ele desapareceu. Não sei se ele foi mocinho ou bandido. O que queremos é a verdade”, diz o pastor evangélico Marcel Lima, irmão mais novo do ex-militante. A família vai pedir às Comissões Nacional e Estadual da Verdade que esclareçam o caso Faria Lima, que entre os irmãos é chamado por Giba.

Zorro: Espião uruguaio pode desvendar mistério de agente duplo da ditadura

Leia mais: Documentos traçam perfil dúbio de ‘Zorro’

Zorro: ‘Evidências de traição eram muito fortes’, diz ex-companheiro

Reparação: Família de Herzog recebe atestado de óbito que declara morte sob tortura

Segundo os irmãos Marcel, Márcia e Sônia, a última notícia de Zorro é uma carta enviada por ele em novembro de 1974, escrita à mão e postada no Chile. “Havia algumas expressões em espanhol, mas era dele”, diz Sônia. Cerca de dois anos antes, segundo ela, outro irmão, Luiz, já falecido, encontrou-se por acaso com Zorro no Rio de Janeiro.

Reprodução
Gilberto Faria Lima, o Zorro, estava entre os procurados por agentes do regime militar

Os dois teriam travado um diálogo ríspido: “O Luiz disse para ele sumir porque a família já havia sofrido muito e ninguém mais queria saber dele”, conta Márcia. Segundo ela, esse episódio pode ter feito com que o irmão rompesse o elo com a família.

Segundo Márcia, Luiz e o pai foram presos pela polícia e torturados enquanto Zorro estava na clandestinidade. Choques elétricos nos órgãos genitais teriam esterilizado Luiz, que morreu sem filhos biológicos.

A perseguição à família começou logo depois dos assassinatos do tenente Alberto Mendes Jr., no Vale do Ribeira, e do industrial Albert Henning Boilesen, em São Paulo. “Os policiais ocuparam nossa casa por uma semana. No dia em que foram embora, duas horas depois, o Giba voltou”, lembra a outra irmã, Sônia.

É provável que a última visita tenha ocorrido em meados de 1970, no mesmo período em que foram levantadas as primeiras suspeitas sobre a “virada” do ex-militante. Nos meses seguintes, ele participou de várias ações executadas em conjunto em São Paulo por militantes da Vanguarda Popular Revolucionária (VPR), Ação Libertadora Nacional (ALN) e Movimento Revolucionário Tiradentes (MRT), a última organização a que esteve vinculado.

Investigação: Ex-braço direito de Fleury, delegado terá de depor sobre crimes da ditadura

Entrevista ao iG: ‘Vou contar tudo’, diz ex-braço direito de Fleury sobre crimes da ditadura

Com a queda do MRT, ele ainda tentou ingressar na ALN, mas foi vetado por causas das suspeitas. Seguiu então para o Chile e, mais tarde, para a Argentina. Ainda no Chile ele passou a manter contatos com o araponga uruguaio Alberto Octávio Conrado Avegno, infiltrado pelo Centro de Informações da Marinha (Cenimar) e Itamaraty nos grupos de brasileiros banidos.

Os últimos registros de movimentação de Faria Lima encontrados nos arquivos militares são do período em que ele ainda estava na Argentina. A carta de novembro de 1974, postada no Chile por Faria Lima, tinha, segundo a família, a finalidade de desmentir a notícia de que tenha sido morto na emboscada armada pelos órgãos de repressão em julho de 1974 e que resultou na morte de sete militantes. Em 1978, seu nome foi incluído na lista de anistiados, um sinal de que não havia informação oficial sobre sua morte.

O ex-sargento José Araújo da Nóbrega, que esteve ao lado de Zorro no Vale do Ribeira no grupo comandado por Carlos Lamarca, e depois conviveu com ele no Chile, reafirma que o reencontrou na porta de um bar, na Estação da Luz, centro de São Paulo, em 1979. “Não tenho nenhuma dúvida de que era ele”, conta Nóbrega. Quando desceu do carro e foi ao encontro, Zorro havia desaparecido. Há pouco mais de um ano Nóbrega recebeu um telefonema de um amigo que mora no Rio avisando que o ex-companheiro queria falar com ele. O tom do recado, segundo Nóbrega, foi como se Zorro estivesse querendo sair da clandestinidade.

Vladimir Herzog: Presidente da CBF pode esclarecer nova hipótese para morte

São Paulo: Registros revelam ligação de empresários e embaixada com o regime militar

Ivan Seixas: 'Nasci na luta', diz ex-preso político torturado ao lado do pai

Os irmãos contam que no início da década de 1990 foram avisados pelo delegado Sílvio Tinti, da Polícia Civil de São Paulo, que Gilberto Faria Lima estava morando em Nova Lima, na região metropolitana de Belo Horizonte. O policial queria que duas irmãs, Márcia e Rita, esta falecida, fossem com ele até o local para tentar identificar se era mesmo o ex-guerrilheiro.

As duas se anteciparam e foram sozinhas ao local, mas se decepcionaram. “Não era meu irmão. Era um sujeito que estava com os documentos dele e havia sido preso. Ele só falou que meu irmão tinha morrido, mas não deu nenhum detalhe”, conta Márcia. O homem marcou um encontro para o dia seguinte, mas Márcia e Rita não compareceram.

“Nossa família já sofreu demais. Não importa se ele mudou de lado ou não. Se isso aconteceu, ele deve ter tido suas razões. Não vamos julgá-lo. Só queremos encontrá-lo. Seria uma benção de Deus se estiver vivo”, diz Márcia, que também é evangélica.

Existem, no entanto, detalhes intrigantes no comportamento dos Faria Lima: é a única família que até hoje não reivindicou esclarecimento nas comissões que investigam os casos de desaparecimento e também não ingressou com ação na Comissão de Anistia do Ministério da Justiça pedindo que o irmão seja reconhecido como perseguido político ou reivindicando indenização pecuniária.

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas