Tucano Samuel Moreira é eleito presidente da Assembleia de São Paulo

Por Natália Peixoto , iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Indicado para a presidência no lugar de Barros Munhoz (PSDB), Moreira evitou abordar temas polêmicos e disse que sua gestão será de continuidade

Com 90 votos a 1, o tucano Samuel Moreira foi eleito presidente da Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp). A eleição é fruto de um acordo raro que já dura 20 anos entre PT e PSDB. Desde 1995, tucanos e petistas participam da mesma chapa na eleição da Mesa. A única exceção foi em 2005, quando a base do governo rachou e apresentou duas candidaturas - o PT apoiou o candidato do DEM e ajudou a derrotar o PSDB.

O único deputado a se opor foi Carlos Giannazi (PSOL), que se lançou como candidato, e votou em si mesmo. Outros três deputados não estavam presentes na votação.

Leia também:

Deputados paulistas protocolam 'emenda da impunidade' na Assembleia

Deputado quer divulgar processos contra promotores

Divulgação/Alesp
Samuel Moreira é o novo presidente da Alesp

Moreira foi indicado para presidência no lugar de Barros Munhoz (PSDB), à frente da Alesp há quatro anos. Pelo regimento da casa, um deputado não pode ocupar a presidência por dois mandatos na mesma legislatura, mas Barros foi reeleito e emendou dois mandatos seguidos em legislaturas diferentes.

Em entrevista coletiva, Moreira evitou abordar temas polêmicos, como a renovação da frota da Alesp, o auxílio-moradia (suspenso pelo Ministério Público) e a PEC que propõe acabar com o poder de investigação dos promotores, mas afirmou que sua gestão será de "continuidade nas coisas que avançaram". Moreira recebeu o apoio entusiasmado de diversos deputados do PT.

Gastos: Assembleia de São Paulo suspende compra de nova frota de carros oficiais

Novas leis: Governo de São Paulo veta 90% dos projetos aprovados na Assembleia

O deputado Rui Falcão, ex-primeiro secretário - que foi substituído por Ênio Tatto - negou que haja acordo, e disse que a divisão de poderes na Mesa é uma "tradição na casa, de respeitar a proporcionalidade para manter a democracia".

Apesar da declaração, a segunda secretaria, que por esse critério deveria ter sido dada ao PV, ficou com o DEM, com o deputado Emir Cheddid. Carlos Serdelli, do PV, ficou com a primeira vice-presidência.

Munhoz

Em seu último discurso como presidente da Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp), o deputado Barros Munhoz (PSDB) agradeceu a passagem de quatro anos na presidência e defendeu a Alesp das "injustiças" de que ela foi vítima durante seu comado.

Em seu discurso de despedida, o tucano agradeceu especialmente o deputado Campos Machado, a quem chamou de "irmão".

Machado elogiou o aliado, e retribuiu a declaração de confiança. Ele disse que Munhoz soube enfrentar os inimigos, "os abutres que aparecem de vez em quando". "(Munhoz) é um injustiçado, que soube fazer um caminho na injustiça", disse.

Com Agência Estado

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas