Apesar do gesto do ex-prefeito, Afif Domingos pode ocupar a pasta da Micro e Pequena Empresa, mas na cota pessoal da presidente

Brasil Econômico

Gilberto Kassab , ex-prefeito de São Paulo e presidente do PSD, promoveu ontem uma reviravolta no tabuleiro da reforma ministerial. Durante um jantar com a presidente Dilma Rousseff no Palácio do Alvorada na noite de quarta-feira, ele informou que seu partido ficará fora da Esplanada dos Ministérios. “Eu disse que estamos caminhando para apoiá-la no Congresso e que estaremos juntos na eleição de 2014, mas não queremos espaço no governo”, relatou Kassab ao Brasil Econômico .

Leia mais: Kassab recusou ministério para disputar governo paulista em 2014

Indicação: Por 2014, PSDB paulista já fala em aceitar indicação de Afif para ministério

Mudança: Especulação sobre reforma ministerial irrita Dilma

PSD, de Kassab, fecha com Dilma, mas não faz questão de ganhar um ministério agora
Agência Estado
PSD, de Kassab, fecha com Dilma, mas não faz questão de ganhar um ministério agora

Ainda segundo o ex-prefeito, a presidente reagiu bem e ficou “super contente” com a notícia. Até a surpreendente declaração, dava-se como certo em Brasília que o PSD sairia da reforma com duas pastas em seu comando: Secretaria de Aviação Civil e Ministério da Micro e Pequena Empresa. O partido conta com 50 deputados federais de todas as regiões do País e tem uma das maiores bancadas da Câmara.

Apesar do gesto de desprendimento, o vice-governador de São Paulo, Guilherme Afif Domingos, que é vice-presidente do PSD, pode ocupar a pasta da Micro e Pequena Empresa, mas na cota pessoal da presidente. “O Afif conversa com a Dilma sobre Micro e Pequena Empresa muito antes de o ministério existir. Ele é a maior referência do Brasil esse assunto e sempre é consultado, desde que Collor estava na Presidência”, pondera o ex-prefeito.

O vice-governador paulista disse ao Brasil Econômico , porém, que não teve nenhuma conversa “profunda” com Dilma sobre o ministério. A aproximação de Afif com o Palácio do Planalto incomoda e preocupa o Palácios dos Bandeirantes, sede do governo paulista comandando pelo PSDB. Presidido pelo vice-governador, o conselho das PPPs (Parecerias Público Privadas) deve ficar com um tucano.

Ministério: Senado aprova criação da Secretaria da Micro e Pequena Empresa

Em 2014, o PSD, que é composto majoritariamente por parlamentares que eram da oposição na era Lula, deve lançar candidato próprio em São Paulo em vez de apoiar a reeleição de Geraldo Alckmin. O nome mais cotado é o de Kassab. Segundo Afif, o ex-prefeito é o nome mais eleitoralmente viável no Estado. Sua candidatura ajudaria o PSD a eleger uma grande bancada de deputados federais nas eleições do ano que vem.

A decisão de não aceitar cargos no governo Dilma deve durar, segundo Kassab, até a eleição de 2014. Se Dilma vencer, a sigla pode fazer parte da nova gestão.

As primeiras mudanças na Esplanada dos Ministérios devem ser anunciadas pela presidente já na semana que vem. O ex-presidente Lula entrou em cena nos últimos dias para ajudar nas negociações finais. A pasta mais desejada pelos partidos da base aliada é o Ministério dos Transportes, que deve ficar na cota do PR. Depois do senador Blairo Maggi e do atual titular, Paulo Passos, um novo nome surgiu nas bolsas de apostas: o senador paulista e ex-vereador Antonio Carlos Rodrigues. O PMDB de Minas Gerais deve ser contemplado com o Ministério da Agricultura e Brizola Neto, do PDT, deve ser substituído por quadro de seu partido.

Leia mais notícias sobre política, economia e negócios no Brasil Econômico .

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.