Com indicação de Manoel Dias, Dilma reabilita Carlos Lupi

Por Luciana Lima , iG Brasília | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Ao afagar ex-ministro, presidente atrapalha os planos do governador de Pernambuco, Eduardo Campos, de contar com o PDT em sua possível candidatura à Presidência

Ao indicar como novo titular do Ministério do Trabalho o secretário-geral da PDT, Manoel Dias (SC), a presidente Dilma Rousseff reabilitou politicamente o ex-ministro Carlos Lupi, que deixou a Esplanada dos Ministérios em 2011, em meio a suspeitas sobre o desvio de recursos da pasta.

Na época, o iG revelou que uma ONG comandada por pessoas ligadas ao PDT havia recebido R$ 3,3 milhões do Ministério do Trabalho, por meio de um convênio marcado pela suspeita de irregularidades.

Leia mais:

Sem assumir candidatura, Eduardo Campos já costura apoios para 2014

Para 2014, Eduardo Campos mira na base de Aécio Neves

'Desculpe se eu fui agressivo. Eu te amo', diz Lupi a Dilma

AE
Dilma contempla Lupi ao colocar aliado no Trabalho

Dias é “intimamente próximo” de Lupi, de acordo com pessoas próximas. Lupi foi até mesmo convidado a comparecer agora à tarde, às 17 horas, em audiência com a presidente e Dias, para discutir a transição na pasta.

A indicação do novo ministro foi acertada entre Lupi e a presidente em uma reunião na última semana. Na ocasião, dois nomes foram levados pelo ex-ministro, o de Dias e do deputado Vieira da Cunha (PDT-MA). Coube a Dilma avaliar qual das duas alternativas julgava mais adequada.

Campanha

Além de reabilitar o ex-ministro Carlos Lupi, com a indicação, Dilma também atrapalha os planos do PSB de atrair o PDT para uma aliança de apoio à possível candidatura do governador de Pernambuco, Eduardo Campos, à Presidência da República.

Nos últimos meses, setores do PDT vinham mantendo conversas com os socialistas interessados em ampliar o tempo de TV de Eduardo Campos. A resistência a essa ideia era liderada por Brizola Neto, que tentava manter o partido no apoio à Dilma.

“Agregador”

Dentro do PDT, Dias é visto como um “agregador”. Embora seja muito próximo de Lupi, ele transita bem também em outros setores do partido, até pelo fato de comandar a Secretaria-Geral da legenda.

Mesmo alas do partido que não o enxergavam como a melhor alternativa para representar a sigla no ministério, se dizem satisfeitos com a escolha. Isso porque o então ministro Brizola Neto já enfrentava desgaste na base partidária.

A reabilitação política de Lupi tende a se refletir também nas negociações para a montagem da nova direção do partido. O PDT marcou sua conferência nacional para o próximo dia 22. Disputam o comando da legenda alas ligadas a Lupi, mais numerosas, e ao ministro Brizola Neto.

Leia tudo sobre: reforma ministerialdilma rousseff

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas