Família de Herzog recebe novo atestado de óbito do jornalista morto na ditadura

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Jornalista Vladimir Herzog era oficialmente considerado morto por suicídio; família conseguiu o direito de mudar a causa da morte para maus-tratos nas prisões da ditadura

A família Vladimir Herzog, morto durante a ditadura em 1975, receberá um novo atestado de óbito do jornalista, em ato público marcado para sexta-feira (15) em São Paulo.

Instituto Vladimir Herzog
O jornalista Vladimir Herzog, vítima da ditadura

No novo documento, em vez de “asfixia mecânica por enforcamento”, que corroborava a versão do regime militar de que Herzog teria cometido suicído na prisão, será registrado “lesões e maus tratos sofridos durante o interrogatório em dependência do 2.º Exército (DOI-Codi)". O DOI-Codi era a sigla conhecida do Destacamento de Operações de Informações - Centro de Operações de Defesa Interna subordinado ao Exército, que atuava como órgão de inteligência e repressão do governo.

Leia mais: 
Novo atestado de óbito de Herzog dirá que ele morreu por maus-tratos
Governo diz que Lei da Anistia impede investigação da morte de Vladimir Herzog

Os familiares de Herzog conseguiram a mudança após decisão da Justiça, em setembro do ano passado.

O documento será entregue no Instituto de Geociências da Universidade de São Paulo (USP), pelo coordenador da Comissão Nacional da Verdade, Paulo Sérgio Pinheiro, em evento que faz parte do ato público que será realizado pela Comissão de Anistia do Ministério da Justiça para reconhecer a condição de anistiado político do estudante de Vannuchi. Na ocasião, será feito um julgamento simbólico do caso do estudante, seguido de um pedido oficial de desculpa. Alexandre foi morto no dia 17 de março de 1973, aos 22 anos.

Leia tudo sobre: ditaduraVladomorteregime

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas