Delator de suposto esquema de corrupção acusa Gabriel Chalita (PMDB) determinou a contratação de seu 'personal trainer' para um cargo de confiança no governo de São Paulo

Agência Estado

Em novo depoimento ao Ministério Público, o analista de sistemas Roberto Grobman afirmou que o deputado Gabriel Chalita (PMDB) determinou a contratação de seu personal trainer para um cargo de confiança no governo paulista quando o parlamentar foi secretário de Educação do Estado, entre 2002 e 2006.

Entenda o caso:
Ministério Público investiga denúncias contra Chalita
Comitê de Serra levou a promotor homem que acusa Chalita

O educador físico Alexandre Eduardo de Freitas foi contratado em abril de 2004 como assessor da Fundação para o Desenvolvimento da Educação (FDE), com um salário de R$ 10 mil, e foi sócio da Editoras Associadas do Brasil, até janeiro de 2005. Segundo o denunciante, a empresa era usada como laranja pelo grupo COC para manipular licitações da gestão Geraldo Alckmin (PSDB).

O deputado federal Gabriel Chalita (PMDB)
Agência Estado/Band
O deputado federal Gabriel Chalita (PMDB)

Grobman disse à Promotoria que Alexandre trabalhava na academia Bio Ritmo antes de ser contratado pelo governo paulista. Segundo o denunciante, ele "não comparecia regularmente à Secretaria de Estado da Educação" depois que foi contratado."Como Alexandre recebia da Secretaria de Educação e da FDE, Chalita não pagava os honorários pelos serviços prestados como personal trainer", disse.

Grobman alega que a Editoras Associadas do Brasil participava dos processos de contratação do governo paulista e apresentava preços altos para induzir a FDE a comprar produtos de outras empresas ligadas ao grupo COC.

Outro lado:
'Podem investigar tudo da minha vida', diz Chalita
Denúncias contra Chalita foram arquivadas, diz defesa

Entre os anos de 2004 e 2006, a Interactive firmou três contratos para fornecer softwares educacionais para a FDE, no valor total de R$ 3,75 milhões. A Editora COC foi contratada em 2004 para vender 7 mil "cadernos digitais" por R$ 1 milhão.

A Editoras Associadas, onde o personal trainer havia trabalhado, também foi contratada pela FDE. Seis meses depois que Alexandre deixou o governo, em janeiro de 2006, a fundação assinou um contrato de R$ 2,45 milhões com empresa para a aquisição de softwares educacionais.

Alexandre trabalhou na FDE entre 2 de abril de 2004 e 8 de junho de 2005, com a responsabilidade de desenvolver um programa de qualidade de vida para funcionários da Secretaria de Educação. À época da rescisão de seu contrato, seu salário era de R$ 10.629,64.O grupo Bio Ritmo confirmou que Alexandre foi diretor técnico da rede até outubro de 2003.

Leia mais:
Ex-diretor diz ter recebido oferta para confirmar acusações contra Chalita
PMDB não vê desgaste político de Chalita após inquérito

A assessoria de Chalita informou que Alexandre não era personal trainer do deputado, negou a suspeita de favorecimento e disse acreditar na apuração correta do Ministério Público. Alexandre de Freitas não foi encontrado para comentar as declarações de Grobman. 

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.