Dilma afaga fazendeiros e evita manifestação macabra na Paraíba

Por Luciana Lima , iG Brasília | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

O protesto, incentivado pelo DEM, se chamaria “greve do sertão” e previa a exposição de caveiras de gado na capital paraibana

O Planalto se apressou e conseguiu evitar uma cena que prometia ser macabra durante a visita que a presidente Dilma Rousseff faz nesta segunda-feira(4) à Paraíba. Incentivados pelo deputado Efraim Filho (DEM-PB), pequenos proprietários rurais, criadores de gado, planejavam exibir, na chegada de Dilma ao Estado, várias caveiras de animais mortos devido à estiagem na região.

Oposição: Aécio diz que Dilma tirou os olhos de 2013

Convenção do PMDB: Dilma afaga Temer e é recebida em clima de campanha

Roberto Stuckert Filho/PR
Dilma entrega unidades do Minha Casa, Minha Vida em João Pessoa, na Paraíba

Para conter os ânimos, a presidente abriu espaço em sua agenda para uma audiência com os manifestantes em João Pessoa. Antes, a agenda de Dilma previa a entrega de unidades do Minha Casa, Minha Vida na capital paraibana e uma visita às obras do canal adutor Vertente Litorânea, em Campina Grande.

O líder do DEM na Câmara, deputado Ronaldo Caiado (GO), chegou a se deslocar para a Paraíba com o objetivo de insuflar o movimento dos agricultores, que já havia recebido o nome de “greve do sertão”. Diante do cancelamento, Caiado acabou ficando no hotel. Mesmo assim, não poupou críticas a Dilma.

Leia mais: Para 2014, Eduardo Campos mira na base de Aécio Neves

“A presidenta, que até então estava resistente em enxergar o problema das mortes do rebanho, decidiu receber os proprietários. Quando estava chegando, o deputado Efraim Filho me avisou que os ministros e o próprio Planalto avisaram que a presidenta havia flexibilizado sua agenda e que os pecuaristas decidiram suspender a manifestação e ir para a audiência”, contou o líder.

“Mas isso não muda a realidade. Com a estiagem, mais da metade do rebanho da Paraíba morreu. O número de cabeças de gado do estado é estimado em 1,3 milhão, destes, 700 mil não resistiram. Considerando toda Região Nordeste, tivemos uma perda de 6 milhões de cabeças de gado desde 2011”, protestou.

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas