Lula diz que candidatura de Campos seria 'risco' à aliança histórica PT e PSB

Por iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Apesar da ressalva, ex-presidente elogiou o governador de Pernambuco e disse que não faria nada para impedir que 'um companheiro seja candidato à Presidência'

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) negou nesta sexta-feira, ao abrir a reunião do diretório nacional do partido em Fortaleza, que esteja tentando impedir uma possível candidatura do governador de Pernambuco, Eduardo Campos (PSB), à Presidência da República em 2014. Mas o petista afirmou que a entrada do aliado na disputa eleitoral poderia colocar em risco a parceria "histórica" entre as duas siglas.

Aliado: Campos critica Lula e diz que o PSB não vai trabalhar no fuso dos outros

Poder Online: Depois do Rio, Lula tentará consolidar aliança com PMDB em São Paulo

Acordos: PTB negocia governo de Pernambuco em troca de apoio a Campos em 2014

Ricardo Stuckert/Instituto Lula
Em Fortaleza, Lula diz que vê risco na candidatura de Eduardo Campos à Presidência

"Defendo a liberdade incondicional de cada partido de fazer o que bem entenda. Se não fosse assim, o PT não teria chegado à Presidência da República. Portanto, eu jamais tomaria qualquer atitude para impedir que um companheiro fosse candidato a presidente", disse Lula. "O que temos que ver é se, estrategicamente, é importante a gente colocar em risco uma coisa que tem dado tão certo nesse País, que é a aliança histórica entre PT e PSB."

Leia também: Ciro critica Campos, mas governador de Pernambuco evita polêmica

Socialistas: Candidatura de Campos dependerá de desempenho de Dilma

O petista lembrou que ainda faltam quase dois anos para a eleição presidencial e que, "se a gente ficar fazendo política do 'diz que diz' ou 'diz que não diz', a gente vai dar trombada desnecessariamente".

Lula teceu elogios a Eduardo Campos, e disse que é muito amigo do governador de Pernambuco, do governador do Ceará, Cid Gomes (PSB), e de seu irmão, Ciro Gomes (PSB). "Ele (Eduardo) é uma personalidade que pode desejar qualquer coisa que ele quiser nesse País", afirmou. "O meu papel é fazer todo o esforço para que a gente esteja junto. Temos que construir uma aliança muito forte."

Nesta sexta-feira, Campos afirmou que não se sente pressionado a definir sua candidatura e criticou o ex-presidente por antecipar o calendário eleitoral ao lançar Dilma candidata.  "Nunca vi quem está no governo, sobretudo quem está no governo com situação de dificuldade, antecipar o calendário eleitoral", afirmou em entrevista no Recife. "Nunca vi isso dar certo." Ele fez o comentário ao ser indagado se Lula estava errado ao tomar tal iniciativa. "Esta resposta já coloquei, quando acho que 2013 não é ano de se estar montando palanques, mas de se montar canteiro de obras, de se animar a economia, unir o País."

'Todos serão salvos'

O ex-presidente Lula rebateu comentários do presidente da Câmara dos Deputados, Henrique Eduardo Alves (PMDB). Semana passada, ele chegou a dizer que Lula teria indicado que a vaga de vice da presidente Dilma Rousseff (PT) permaneceria com o PMDB, nas mãos de Michel Temer. O comentário foi feito em meio a especulações de que Dilma poderia ceder a vaga de vice a Eduardo Campos, com o objetivo de manter a aliança com o PSB.

Saiba mais: Lula age para evitar aproximação de Eduardo Campos com Aécio

Festa do PT: Lula ironiza tucanos, exalta base aliada e diz que reelege Dilma

"Deixa eu falar uma coisa em alto e bom som: quem escolhe vice é a presidenta, não sou eu. Quando fui presidente da República, escolhi duas vezes o meu vice, José Alencar. Jamais iria escolher um vice para a Dilma. É ela que vai escolher o melhor partido para indicar. Não serei eu", disse Lula. "Como ela tem uma bela amizade com o PSB e nossa relação é histórica, e ela tem uma boa amizade com o Eduardo Campos, no momento certo eles vão conversar e, no final, entre mortos e feridos, todos serão salvos."

Lula evitou comentar a declaração do presidente do Supremo Tribunal Federal, Joaquim Barbosa, que disse que os réus condenados no processo do mensalão seriam presos até o fim de junho. "Não dou palpite sobre a Suprema Corte. A Suprema Corte decidiu, está decidido e acabou. Posso concordar ou não, mas jamais daria palpite sobre as decisões deles, até porque fui presidente da República e muitos deles fui eu que escolhi."

Com Agência Estado

Leia tudo sobre: lulaeduardo camposeleições 2014

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas