Prefeito do Rio nega que haja propaganda política e diz que 'o que há no jogo é o que acontece' no Rio; Ministério Público abriu inquérito para apurar a compra de 20 mil unidades

O prefeito do Rio, Eduardo Paes, afirmou nesta quinta-feira (28) que considera o Banco Imobiliário - Cidade Olímpica "interessante" para ser trabalhado em sala de aula. O jogo, que divulga as obras de Paes na cidade, é alvo de inquérito do Ministério Público para apurar a origem do dinheiro usado na compra de 20 mil unidades e o contrato da prefeitura com a empresa Estrela. A investigação teve origem em  denúncia da reportagem do jornal O Dia .

O Dia: Obras de Paes viram peças de Banco Imobiliário distribuído em escolas

Leia também:  Banco Imobiliário de Paes leva um 'revés'

Banco Imobiliário que divulga obras de Paes
Reprodução
Banco Imobiliário que divulga obras de Paes

Paes negou que haja propaganda política no jogo e disse que as unidades foram compradas da fabricante por cerca de R$ 1 milhão e distribuídas entre as escolas da rede municipal.

De acordo com o prefeito, a versão Cidade Olípica do Banco Imobiliário foi idealizada pela  Estrela, que recebeu autorização para utilizar as imagens da cidade sem custo. "O projeto está sendo colocado em prática depois das eleições. Não fui eu que fiz o Maracanã, o Cristo Redentor. O que há no jogo é o que acontece na cidade", afirmou.

Opinião: Professores e entidades mostram que jogo de Paes não foi boa ideia

Investigação:  MP instaura inquérito contra Banco Imobiliário de Paes

A versão carioca do jogo 'Banco Imobiliário' faz referência a diversas obras da gestão Paes na prefeitura, como os corredores exclusivos de ônibus BRT, a revitalização da zona portuária, o Museu do Amanhã e o Parque Olímpico. O conteúdo do jogo foi questionado por professores da rede municipal, que viram ingerência política na educação.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.