PMDB não vê desgaste político de Chalita após inquérito

Por Agência Estado |

compartilhe

Tamanho do texto

O líder do partido na Câmara, Eduardo Cunha, disse acreditar na ética do deputado e reafirmou sua intenção de indicar Chalita para presidir Comissão de Educação

Agência Estado

Agência Estado
Gabriel Chalita (PMDB) durante campanha para a prefeitura de SP, em 2012: suspeitas de corrupção durante seu período na secretaria da Educação

O líder do PMDB na Câmara, Eduardo Cunha (RJ), descartou qualquer desgaste político do deputado Gabriel Chalita no partido em função da investigação aberta pelo Ministério Público estadual por suspeita de corrupção, enriquecimento ilícito e superfaturamento de contratos públicos no período em que o parlamentar ocupava a secretaria de Educação do Estado de São Paulo. "Acredito nas declarações, na correção e na ética do Chalita. Essa denúncia não altera um milímetro na disposição do partido de prestigiar Chalita", afirmou Eduardo Cunha.

Leia:
PT descarta abrir mão de candidatura em SP por Dilma
Planalto já calcula o preço a pagar ao fortalecido PMDB

O líder da bancada peemedebista reafirmou que indicará Chalita para presidir a Comissão de Educação da Câmara. A distribuição dos comandos das comissões permanentes deverá ser decidida nesta semana em reunião do presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), com os líderes dos partidos.

A informação sobre a abertura dos inquéritos pelo Ministério Público estadual foi publicada neste sábado pelo jornal Folha de S. Paulo. Na ordem de ocupação, que segue proporcionalmente o tamanho das bancadas, a presidência da Comissão de Educação deverá ficar com o PMDB. "O que couber ao PMDB, o que couber a mim, nada altera em função dessa tentativa de atingir a honra de Chalita. Confiamos nas declarações e na ética dele", afirmou Cunha.

Leia tudo sobre: gabriel chalitapolíticaigspsão paulocorrupção

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas