Excesso de soluções embola negociação sobre vetos

Por Nivaldo Souza - iG Brasília | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Enfraquecido no Congresso desde que mudou os royalties do petróleo, governo ainda não sabe qual melhor solução para aprovar 3.061 vetos presidenciais

Sem consenso para votar o Orçamento desde o final do ano passado, em função do impasse sobre o novo modelo de distribuição dos royalties do petróleo, o governo experimenta um caos ainda maior sobre a fórmula para passar pelo crivo do Congresso os 3.210 vetos presidenciais que precisam ser aprovados por senadores e deputados por decisão do Supremo Tribunal Federal (STF).

Leia também: Congresso só votará Orçamento 2013 após decisão do STF sobre vetos

O governo sugeriu uma votação em blocos, fatiando os vetos em grupo, mas perdeu. Agora, assiste a uma disputa entre lideranças políticas dispostas a apresentar uma solução para receber os créditos pelo feito, embora oficialmente a afirmação seja de que aguardam posicionamento do STF sobre o orçamento. “Vamos aguardar uma manifestação do Supremo para construir uma solução”, disse ao iG o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL).

O Palácio do Planalto não sabe ao certo quantos caciques formulam propostas. Mas sabe que Renan e o presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), elaboram um modelo de votação que agrade o governo.

O presidente da Câmara afirma que também busca uma solução via STF antes de apresentar sua proposta. Alves esteve ontem com o ministro Luiz Fux, do STF, que determinou que nenhuma sessão conjunta da Câmara e do Senado pode aprovar qualquer projeto antes dos parlamentares votarem os vetos. “Vou conversar com o ministro. Ainda estou aguardando uma solução (para propor um modelo de votação dos veto)”, diz.

Em paralelo aos chefes do Congresso, o ex-líder do governo na Câmara, deputado Arlindo Chinaglia (PT-SP), também ensaia uma solução petista. Ele acredita ser possível reduzir o número de vetos a serem apreciados mediante um novo arranjo jurídico.

‘Propostas demais’

O governo suspendeu a votação do Orçamento até a próxima semana com medo de ver a aprovação da peça de gastos cair no limbo jurídico pelas mãos da oposição, que pode aproveitar a brecha jurídica para contestar a aprovação das contas de 2013.

O relator-geral do Orçamento, senador Romero Jucá (PMDB-RR), avalia é que “há propostas demais” para os vetos em análise. “Cada um tem uma. Esse é o problema”, afirma.

O excesso é resultado do anseio do Congresso, que após a interferência do Supremo, quer mostrar independência e tratar o assunto como algo interno, mesmo se a solução sair alinhada aos anseios do governo.

Caso os vetos sejam revogados pelo Congresso, como o que mantém a fórmula do fator previdenciário, o governo pode perder R$ 470 bilhões em arrecadação anual, segundo conta da Advocacia-Geral da União (AGU).

Leia tudo sobre: vetos presidenciaiscongressostf

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas