Dilma exalta sucesso do Bolsa Família e ataca 'correntes conservadoras'

Por iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Presidente assinou nesta terça-feira medida para garantir um complemento do programa para 2,5 milhões de pessoas que não conseguem atingir uma renda mensal de R$ 70

A presidente Dilma Rousseff criticou nesta terça-feira as "correntes conservadores que quase empurram o mundo para o abismo da crise" e afirmou que o Brasil possui a tecnologia social mais avançada do mundo, referindo-se ao Bolsa Família, como núcleo principal do Plano Brasil sem Miséria. "Sim, nós construímos a tecnologia social mais avançada do mundo", disse a presidente durante solenidade de ampliação do Plano Brasil Sem Miséria, no Palácio do Planalto.

O anúncio do plano, antecipado pelo iG, prevê uma complementação no benefício de 700 mil famílias já incluídas no Bolsa Família, mas que não recebem uma renda mensal de R$ 70 per capita. O programa é um dos pilares da campanha da presidente em 2014. Ao falar da retirada de 22 milhões de brasileiros da situação de extrema pobreza, Dilma destacou que isso "não se deu por mágica nem fruto do acaso, é fruto de dez anos de experiência, tentativas e coragem de execução".

Num discurso em que exaltou o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e fez críticas aos programas sociais existentes antes do início do governo do PT em 2003, Dilma disse que essas correntes não entendem o país e seu modelo de desenvolvimento que, segundo ela, se diferencia do que acontece atualmente em várias partes do mundo. "Agora que acabamos com a miséria visível, temos que ir atrás da miséria invisível", disse Dilma.

Leia mais: Dilma prepara inclusão de mais 700 mil famílias no Brasil Sem Miséria

Reeleição de Dilma: PT percorrerá o País para resgatar imagem e por discurso de 2014

Roberto Stuckert Filho/PR
Dilma assinou medida para garantir um complemento em dinheiro para 2,5 milhões de pessoas com renda per capita inferior a R$ 70

A presidente assinou medida para garantir um complemento em dinheiro para 2,5 milhões de pessoas com renda per capita inferior a R$ 70, patamar para enquadramento na faixa de extrema pobreza. O benefício é para pessoas que recebem o Bolsa Família, mas possuem renda per capita inferior a R$ 70 e, além disso, não se encaixam nas regras do programa Brasil Carinhoso, que só contempla quem tem filhos de até 15 anos.

O governo avalia que a complementação de renda, a ser paga a partir de março, representará um custo adicional de R$ 773 milhões só neste ano.

Dilma enfatizou ainda que o modelo de desenvolvimento construído no Brasil desafia a "lógica simplista, o 'disse me disse' da política pequena". Ela ainda ressaltou que "exportamos para o mundo uma tecnologia social capaz de combater a fome". "Um fato que nos distingue hoje do mundo, que nos diferencia entre as nações, e é diferente do que está sendo praticado no mundo, com perdas de direitos e, hoje, com o surgimento de pessoas em situação de extrema precariedade em países que eram, até então, líderes na questão do bem-estar social", afirmou.

A presidente assinalou que "os conservadores" não entendem a originalidade do modelo de desenvolvimento brasileiro. "É por isso que as correntes do pensamento conservador, aquelas mesmas correntes que quase empurram o mundo para o abismo da crise, insistem em não entender o Brasil e a originalidade do nosso modelo".

Com Agência Estado e Reuters

Leia tudo sobre: dilma rousseffbrasil sem miséria

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas