Presidente da Câmara diz que seguirá determinação do STF sobre mensalão

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Na segunda-feira, ao tomar posse, Henrique Alves deu declarações que foram interpretadas como uma afronta à decisão da Corte; hoje, ele afirmou: 'tire o cavalinho da chuva'

Reuters

O presidente da Câmara dos Deputados, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), afirmou nesta quarta-feira que é "zero" a possibilidade de a Casa não cumprir uma determinação do Supremo Tribunal Federal (STF) sobre a perda de mandato dos deputados condenados no julgamento do mensalão. "Não há a menor possibilidade, o risco mínimo de confronto entre o Legislativo e o Judiciário é zero. Zero. Quem pensar diferente é a frase popular: tire o cavalinho da chuva", disse ele, após se reunir com o presidente do STF, Joaquim Barbosa.

Mensalão: STF dependerá de arranjo jurídico para cassar mandatos de réus

Poder Online: Genoino assume e diz que cadeia não o impedirá de fazer política

Na segunda-feira, ao tomar posse, Henrique Alves deu declarações que foram interpretadas como uma afronta à decisão do STF. "Os outros Poderes, com todo o respeito... mas o Poder que representa o povo brasileiro, na sua mais sincera legitimidade, queiram ou não queiram, é esta Casa aqui, é o Legislativo, é Parlamento brasileiro", disse ele na ocasião. 

Agência Brasil
Henrique Eduardo Alves deixa o STF após visitar o presidente da Corte, o ministro Joaquim Barbosa

Nesta quarta, o novo presidente da Câmara destacou "o respeito" entre os dois Poderes. "É imenso o respeito entre o Legislativo e o Judiciário e vice-versa...Então cada um sabe sua responsabilidade", declarou.

Alves afirmou ainda que o procedimento na Câmara para confirmar a cassação dos deputados condenados no mensalão será "rápido", mas é preciso o processo chegar ao Congresso primeiro. Ele disse que cabe à Câmara cumprir as "formalidades legais" e sem possibilidades de "confrontar o mérito".

Confira a cobertura completa do iG sobre o julgamento do mensalão

Relembre: STF decide cassar mandato de condenados e abre crise com a Câmara

Em dezembro do ano passado, a maioria dos ministros do STF decidiu que os parlamentares envolvidos no mensalão, esquema de compra de apoio político no primeiro mandato do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, deveriam perder seus mandatos assim que o processo for encerrado.

O julgamento da ação penal foi concluído, mas ainda falta a publicação do acórdão e recursos podem ser apresentados. Entre os condenados, estão o ex-ministro-chefe da Casa Civil José Dirceu e o ex-tesoureiro do PT Delúbio Soares.

A decisão da Suprema Corte afeta os mandatos dos deputados José Genoino (PT-SP), João Paulo Cunha (PT-SP), Valdemar Costa Neto (PR-SP) e Pedro Henry (PP-MT), todos condenados no julgamento.

A determinação do STF de cassar o mandato de deputados condenados provocou um embate com o Congresso e gerou diversas interpretações sobre que poder - Legislativo ou Judiciário - tem a prerrogativa de tomar mandatos de parlamentares.

O ex-presidente da Câmara Marco Maia (PT-RS) chegou a dizer, antes da decisão do Supremo, que poderia não cumpri-la.

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas