Segundo o Barbosa, o acusado tem direito de se manifestar dentro de 15 dias e o ministro-relator, Ricardo Lewandowski, também precisa de tempo para analisar o caso

Agência Brasil

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Joaquim Barbosa , disse nesta segunda-feira (4) que o processo envolvendo o presidente do Congresso Nacional, senador Renan Calheiros (PMDB-AL), não deve ser julgado nos próximos 60 dias. Barbosa fez a previsão segundo os prazos processuais que precisam ser seguidos nesses casos.

Leia também:
Na abertura do ano legislativo, Barbosa fala em harmonia entre os Três Poderes
Henrique Eduardo Alves, do PMDB, é eleito presidente da Câmara
Renan é alvo de protestos ao subir a rampa do Congresso
Em mensagem ao Congresso, Dilma diz que classe política é vilipendiada

Renan Calheiros e Joaquim Barbosa, lado a lado na sessão solene de abertura dos trabalhos do ano legislativo
Carlos Humberto/SCO/STF
Renan Calheiros e Joaquim Barbosa, lado a lado na sessão solene de abertura dos trabalhos do ano legislativo

“Não é coisa para 30 dias, 40 dias, vai demorar um pouquinho”, ressaltou Barbosa, logo após a cerimônia de abertura do ano legislativo no Congresso Nacional. Segundo o ministro, o acusado tem direito de se manifestar dentro de 15 dias, assim como o Ministério Público, caso o senador traga novos documentos. Ele lembrou que o ministro-relator, Ricardo Lewandowski, também precisa de tempo para analisar o caso e que os prazos são variáveis, dependendo da prioridade que é dada ao processo.

A denúncia envolvendo Renan Calheiros foi apresentada pelo procurador-geral da República, Roberto Gurgel . O político alagoano é acusado de peculato, falsidade ideológica e falsificação de documento por ter desviado verba de gabinete para pagar pensão a um filho.

Na última sexta-feira (1º), o ministro Ricardo Lewandowski disse que ainda não tinha analisado a denúncia e que aparentemente não havia motivo para dar prioridade ao caso. Lewandowski acrescentou que não pretende levantar o sigilo dos autos, pois há dados confidenciais do senador e de outros denunciados.

Pouco à frente de Barbosa e cercado por forte esquema de segurança na saída do plenário, Renan Calheiros não quis comentar a denúncia do Ministério Público. Também ignorou perguntas de jornalistas sobre um possível desconforto em dividir a Mesa do Congresso com o presidente do Supremo Tribunal Federal.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.