Senador já presidiu a Casa e deixou o cargo em meio a denúncias em 2007; decisão será na sexta; ele tem o apoio do PT e da maioria dos partidos da base aliada

O PMDB oficializou nesta quinta-feira (31) a candidatura do senador Renan Calheiros (PMDB-AL) à presidência da Casa, em eleição marcada para esta sexta-feira (1º), às 10h. Na mesma reunião, o senador Eunício Oliveira (PMDB-CE) foi escolhido o novo líder da bancada, em substituição ao próprio Renan.

Senado: Renan dá cargos e deve vencer com folga a disputa pela presidência 

Leia mais: Procuradoria denuncia Renan Calheiros por suspeita de usar notas frias

Renan já presidiu o Senado e renunciou ao comando da Casa em 2007 em meio a denúncias de que teria usado um lobista de uma empreiteira para pagar pensão alimentícia ao filho que teve fora do casamento com a jornalista Mônica Veloso. Na semana passada, o procurador-geral da República, Roberto Gurgel, denunciou o senador ao STF .

Independentes: Randolfe retira candidatura e PSDB apoia Taques

Na véspera da eleição, Renan é oficializado candidato do PMDB para suceder Sarney no Senado
Agência Brasil
Na véspera da eleição, Renan é oficializado candidato do PMDB para suceder Sarney no Senado

Mesmo sob denúncias, a estimativa é que Renan obtenha entre 55 e 60 votos favoráveis à sua candidatura para suceder José Sarney (PMDB-AP), atual presidente do Senado. Para se eleger nesta sexta-feira (1º), Renan precisa dos votos de metade dos presentes mais um (maioria simples). As dissidências deverão ficar entre 20 e 25 votos.

O peemedebista terá como adversário o senador Pedro Taques (PDT-MT), uma vez que Randolfe Rodrigues (PSOL-AP) retirou sua candidatura em favor do pedetista. A bancada do PSDB no Senado já anunciou apoio a Taques.

Com Agência Senado e Agência Estado

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.