Absolvido no mensalão, ex-ministro é denunciado em Minas Gerais

Por Agência Estado |

compartilhe

Tamanho do texto

Ex-ministro do dos Transportes Anderson Adauto foi acusado de envolvimento em desvio de R$ 1,1 milhão quando era prefeito de Uberaba

Agência Estado

Agência Estado

Agência Brasil
Adauto foi prefeito de Uberaba por dois mandatos

Menos de três meses depois de ser absolvido pelo Supremo Tribunal Federal no mensalão, o ex-ministro dos Transportes Anderson Adauto (sem partido) foi denunciado à Justiça pelo Ministério Público Estadual de Minas Gerais acusado de desviar R$ 1,1 milhão da prefeitura de Uberaba, no Triângulo Mineiro.

Leia mais: Sem 'figurões' do PT, jantar para condenados no mensalão reúne 70

Especial iG: Veja as penas dos 25 condenados no julgamento

A Justiça acatou na última sexta-feira (18) a acusação formal, que resultou no processo que tramita na 1.ª Vara Criminal de Uberaba. Além de Adauto, foram denunciados o ex-procurador-geral do município, Valdir Dias, e os empresários José Luís Guimarães do Amaral e Eliane do Amaral Marcondes de Souza, proprietários da AMS Construções e Incorporações Ltda., acusados de envolvimento no desvio. Em 2008, a empresa foi uma das doadoras da campanha vitoriosa de Adauto à reeleição.

De acordo com a denúncia do promotor José Carlos Fernandes Júnior, o desvio ocorreu entre agosto de 2008 e setembro de 2009, durante a construção do Centro Municipal Avançado de Ensino do Bairro Boa Vista. A AMS venceu licitação promovida em 2006 para realizar a obra, ao custo de R$ 3,3 milhões. A obra foi suspensa pela Secretaria Municipal de Infraestrutura em novembro daquele ano. Os trabalhos seriam reiniciados em março de 2007, mas, de acordo com o MP, a paralisação ocorreu para que os recursos fossem desviados. O inquérito instaurado para investigar o caso mostrou que, ao retomar os trabalhos em dezembro de 2007, a empresa pediu reajuste no valor do contrato.

Retrospectiva 2012: Julgamento do mensalão abriu polêmica sobre papel do STF

Mesmo com pareceres técnicos contrários, Valdir Dias foi favorável ao reajuste e o prefeito determinou o aditamento do contrato acima dos índices oficiais de inflação e o pagamento de lucros cessantes. Em agosto de 2008 foi assinado novo aditivo, que foi divulgado apenas em maio do ano seguinte, após o pagamento, de acordo com o MPE, dos "recursos indevidos". Para o Ministério Público, a demora na divulgação do aditivo teve o objetivo de "dificultar a percepção do desvio de receitas públicas promovido em favor da empresa".

Condenação

Absolvido no mensalão, Adauto tem outros problemas com a Justiça. O ex-ministro foi condenado em 1.ª instância por fraude em concurso público para a contratação de agentes de Saúde, decisão que suspendeu seus direitos políticos. Ele também responde a outras ações de improbidade administrativa e é alvo de investigação da Polícia Federal por suspeita de fraudar licitação de R$ 20 milhões para a compra de medicamentos e equipamentos.

O jornal O Estado de S. Paulo não conseguiu contato na segunda-feira (21) com o ex-ministro, que ainda não nomeou advogado para atuar no processo relativo à denúncia mais recente, assim como com os demais acusados. As informações são do jornal O Estado de S.Paulo.

Leia tudo sobre: anderson adutoprefeiturauberabamensalão

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas