Maluf terá de devolver US$ 28 milhões à Prefeitura de São Paulo

Por iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Corte de Jersey constatou que as empresas ligadas à família do ex-prefeito teriam sido usadas para desviar dinheiro de obras públicas na capital paulista

A Corte de Jersey anunciou que empresas offshores ligadas ao ex-prefeito Paulo Maluf terão de devolver aos cofres públicos do município de São Paulo US$ 28,3 milhões (R$ 57,7 milhões), além de pagar nove anos de custos com advogados no processo que ainda tramita no paraíso fiscal. A avaliação da prefeitura é de que, só com advogados, o custo chegou a US$ 4,5 milhões nesse período.

Procurador: Repatriação de dólares de caso Maluf vai demorar

Leia mais: Maluf é condenado a devolver R$ 21 milhões aos cofres públicos

Futura Press
Maluf foi condenado a devolver dinheiro desviado da Prefeitura de São Paulo

Em novembro, a Corte constatou que as empresas ligadas à família Maluf haviam sido usadas pelo ex-prefeito para desviar dinheiro de obras públicas em São Paulo, entre elas a obra da Avenida Águas Espraiadas nos anos 90. Maluf negou ter conta na Ilha de Jersey e afirmou, na época da condenação, que a ação não tem embasamento legal, uma vez que a obra não foi feita pela prefeitura, mas sim pela Emurb (empresa pública de urbanização vinculada à Prefeitura de São Paulo).

Faltava definir o valor, que originalmente foi calculado em US$ 10 milhões. Com juros e correções, além das multas, Maluf terá de devolver US$ 28 milhões, além de US$ 4,5 milhões dos custos dos advogados. As empresas já recorreram e uma decisão final deve sair em março.

Cálculo original da Procuradoria do Município mostra que o valor seria entre US$ 22 milhões e US$ 32 milhões.

Poder Online: Malufismo é varrido da Câmara Municipal de São Paulo

Leia também: Juíza decide que Maluf fica na lista de mais procurados da Interpol

Defesa: Advogados admitem que Maluf tem dinheiro em ilha

"Paulo Maluf era parte da fraude na medida em que, pelo menos no decorrer de janeiro e fevereiro de 1998, ele ou outras pessoas em seu nome receberam ou foram creditadas no Brasil com uma série de 15 pagamentos secretos", concluiu a Corte.

O valor que voltará para a prefeitura está bloqueado em Jersey, sendo que parte importante é composta por ações da Eucatex - empresa da família Maluf.

Através de duas empresas fundadas e administradas pela família, Maluf e Flávio, seu filho, foram os beneficiados do desvio de cerca de 20% da verba destinada à construção da atual avenida jornalista Roberto Marinho. Com notas fiscais frias, a prefeitura pagou US$ 10,5 milhões a mais para a construtora Mendes Júnior. Esse dinheiro foi repassado a subcontratados e, depois, transferido a Nova York. De lá, o dinheiro cruzou o Atlântico para ser depositado em nome de duas empresas offshore dos Maluf em Jersey.

Com Agência Estado

Leia tudo sobre: malufjerseyprefeitura de são paulocondenaçãoIGSP

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas