Cúpula tucana fecha com Aécio e tira poder de Serra

Por Agência Estado |

compartilhe

Tamanho do texto

Na construção da candidatura de mineiro para 2014, comando do PSDB deve emplacá-lo como presidente do partido, diminuir espaço de Serra e aumentar participação de Alckmin

Agência Estado

Agência Estado

Agência Brasil
Aécio Neves é visto durante evento em que foi lançado como candidato do PSDB à presidência em 2014 (dez/2012)

Na construção da candidatura do presidenciável Aécio Neves, o comando do PSDB emplacará o senador mineiro como novo presidente do partido ao mesmo tempo em que deve diminuir o espaço do ex-governador José Serra na nova direção partidária e aumentar a participação do governador Geraldo Alckmin (SP).

Reação: Ala serrista do PSDB ameaça revoada em resposta a candidatura de Aécio

Roberto Freire: 'Se Serra quiser, PPS o receberá de braços abertos'

Em maio, o PSDB elege a nova Executiva. Hoje, a maior parte da direção está fechada com a candidatura de Aécio à Presidência da República, projeto que tem o apoio do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso e do presidente do partido, Sérgio Guerra - em dezembro, os dois lançaram o senador como pré-candidato ao Palácio do Planalto.

O espaço na Executiva é visto como fundamental para o grupo serrista, que voltou a colocar na pauta a discussão sobre prévias para escolher o presidenciável.

"Neste ano, o PSDB tem duas tarefas essenciais pela frente: renovar a sua Executiva Nacional, usando os seus melhores quadros e garantindo que todos se sintam representados, e organizar sua proposta política", disse o ex-governador Alberto Goldman em seu blog na semana passada, quando aliados de Serra disseram que ele deixaria o partido por estar isolado.

Aécio Neves ao iG: 'Renovação é o que todos os partidos buscam' 

Parte da direção viu na manifestação do ex-governador uma tentativa de valorização diante das negociações sobre a nova Executiva.

Os tucanos defensores do projeto Aécio avaliam que o comando do maior partido de oposição é um passo imprescindível no caminho ao Planalto. A princípio, Aécio tentou resistir à indicação por avaliar que a função causaria desgaste, inclusive com potenciais partidos aliados. Articulou até plano alternativo que envolvia outros nomes. Mas Guerra e FHC já haviam abraçado a tese.

No final de 2012, em jantar com integrantes da bancada de deputados, o mineiro ouviu o pedido para que assumisse o comando o partido, como forma de mostrar real comprometimento com o projeto - volta e meia a disposição dele de se candidatar é questionada por tucanos.

Neste mês, Aécio se encontrará com Alckmin, FHC e Serra para discutir a nova Executiva. Além da presidência do PSDB, estarão em jogo outros três cargos: a vice-presidência, a secretaria-geral e a presidência do Instituto Teotônio Vilela (ITV), centro de pesquisas e estudos do partido, com orçamento próprio.

Leia tudo sobre: psdbaécio nevesjosé serraeleições2014fhc

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas