Em início de gestão, vice de Palmas renuncia

Por Agência Estado |

compartilhe

Tamanho do texto

Saída de Sargento Aragão do governo representa primeira crise na gestão do empresário colombiano naturalizado brasileiro Carlos Amastha, primeiro estrangeiro eleito prefeito

Agência Estado

Eleito em outubro, o vice-prefeito de Palmas, Sargento Aragão (PPS), renunciou na quinta-feira (10), causando a primeira crise política da gestão do empresário colombiano naturalizado brasileiro Carlos Amastha (PP) na capital do Tocantins.

Perfil: Milionário e dono de carros de luxo, prefeito de Palmas fez fortuna no Brasil

Eleições 2012: Palmas elege primeiro estrangeiro como prefeito de capital

Aragão tomou a decisão sob a alegação de ser contra a nomeação do irmão e da cunhada do deputado federal Eduardo Gomes (PSDB-TO) e de um vereador ligado à senadora Kátia Abreu (PSD-TO) para cargos do primeiro escalão.

Também disse discordar do remanejamento de 50% no orçamento municipal, pedido por Amastha e incluído no Orçamento 2013, aprovado pela Câmara Municipal em dezembro.

Saiba mais: Colombiano eleito em Palmas promete doar salário de prefeito

Deputado de oposição ao governador Siqueira Campos (PSDB), Aragão já havia votado contra o pedido do Executivo estadual de remanejar 40% dos recursos sem consulta à Assembleia. "Como posso aceitar 50% no município?", questionou. Em relação ao secretariado, disse que Amastha "juntou tudo e todos e esqueceu de combinar com a base que o elegeu".

O prefeito disse, por meio de assessoria, que entende o posicionamento de Aragão e a decisão dele de continuar na Assembleia e que escolheu o secretariado com critérios técnicos. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Leia tudo sobre: tocantinspalmascarlos amasthasargento aragão

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas