Advogado diz que Cachoeira descansa em praia da BA 'por recomendações médicas'

Por Agência Estado |

compartilhe

Tamanho do texto

Defensor de Cachoeira disse que seu cliente está se tratando do quadro depressivo agudo, após "comida péssima" e "local horroroso" da prisão terem agravado seu estado de saúde

Agência Estado

Condenado a quase 40 anos de prisão por corrupção, formação de quadrilha e lavagem de dinheiro, entre outros crimes, o contraventor Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, está descansando numa praia paradisíaca do litoral baiano, "por recomendações médicas" e "autorizado pela Justiça", informou nesta segunda-feira seu advogado, Nabor Bulhões. Cachoeira, que recorreu da condenação, segundo o advogado, tem permissão para transitar dentro do território nacional, bastando que comunique o deslocamento à Justiça, o que ele fez.

Leia também: Sob protestos, CPI do Cachoeira termina em 'pizza' ao não indiciar ninguém

Rodrigo Nunes/Futura Press
Carlinhos Cachoeira e sua mulher, Andressa Mendonça, aproveitam o luxuoso resort Kiaroa, próximo da praia de Taipús de Fora, na Península de Maraú, na Bahia

"Ele está se tratando do quadro depressivo agudo que o acometeu após a longa internação de nove meses (no presídio da Papuda, em Brasília) longe do convívio familiar", disse Nabor, lembrando que a "comida péssima", num "local horroroso", agravou o estado de saúde do cliente. "Não à toa, o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, disse que preferia morrer a ficar num presídio medieval do Brasil", lembrou. "Por causa da condição insalubre, ele ficou desidratado e desenvolveu transtorno bipolar, além de problemas cardiológicos", completou.

Mais: Evangélico, Cachoeira se casa com Andressa, mas sem viagem de lua de mel

Nabor relatou que, dias depois de ser solto, em dezembro, Cachoeira, teve uma crise aguda de saúde, precisando ser internado. "No boletim, os médicos diagnosticaram quadro depressivo e debilidade física em razão da má alimentação, reclusão prolongada e privação do convívio familiar da prisão. Isso desencadeou um quadro de disfunção biofisiológica e psicológica. Os médicos, inclusive, recomendaram mais tempo de recuperação no hospital, mas ele preferiu voltar para casa", relatou.

Solto por habeas-corpus para que possa recorrer em liberdade, Cachoeira casou-se no fim de ano com Andressa Mendonça e viajou em lua-de-mel para um resort de luxo na praia de Maraú, no litoral baiano. Segundo o advogado, Cachoeira não violou qualquer norma. "Por ocasião do casamento, os médicos recomendaram que ele buscasse um local tranquilo, preferencialmente uma praia isolada, para se recuperar do terrível suplício na prisão", explicou. "Ele buscou um local afastado, mas a imprensa o perseguiu. Ele foi descoberto e perdeu a privacidade. Sua vida virou um inferno."

Enquanto a condenação de Cachoeira não tiver concluída o trânsito em julgado, ele está proibido de viajar para o exterior - inclusive recolheu o passaporte - mas pode viajar para qualquer parte do território nacional. Basta para isso que faça uma declaração em cartório - citando o local para onde viajará e o tempo de ausência - e a entregue ao juizado da comarca de Goiânia, onde foi condenado.

Sobre o aparente bem-estar exibido nas fotos em que Cachoeira aparece de pele bronzeada vendendo saúde e com ar jovial ao lado da jovem mulher, Nabor tem uma explicação: "Ele está em plena recuperação do trauma, ao lado da mulher e no convívio familiar. Agora o quadro é outro bem diferente daquele de depressão na prisão".

Leia tudo sobre: cpi do cachoeiracachoeira

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas