Prefeitos tomam posse, mas fecham prefeituras no Ceará

Por Agência Estado |

compartilhe

Tamanho do texto

"A prefeitura não tem a mínima condição de funcionar. Levaram tudo. Deixaram apenas a fachada", afirmou o prefeito eleito de Acopiara, Vilmar Félix

Agência Estado

Os novos prefeitos de Crato e Acopiara, no Ceará, até tomaram posse em 1º de janeiro, mas fecharam as prefeituras em seguida. Segundo eles, os municípios sofrem com uma suposta "operação desmonte" feita pelos ex-gestores Antônio Almeida (PTB) e Samuel Araripe (PSDB).

Leia também: Governo faz ‘calçadas acessíveis’, mas deixa postes no caminho em Crato

"Encontramos uma prefeitura sem estrutura nenhuma. Uma prefeitura que não pode ainda atender às demandas da população. Fechamos, sim, para balanço, relata o novo prefeito de Crato, Ronaldo Gomes de Matos (PMDB).

O prefeito de Acopiara, Vilmar Félix (PSB) instalou uma auditoria para identificar as deficiências e prevê que vai abrir a prefeitura somente em fevereiro. "A prefeitura não tem a mínima condição de funcionar. Levaram tudo. Deixaram apenas a fachada".

Os ex-prefeitos negam as acusações e dizem que deixaram as prefeituras em condições de funcionamento. "Deixei um governo limpo, que inclusive passou pela fiscalização do Tribunal de Contas da União", disse Samuel Araripe, ex-prefeito de Crato. Para o ex-prefeito de Acopiara, Antônio Almeida, o que está havendo é uma intriga política.

Segundo o Ministério Público Estadual, os novos gestores têm direito até de fechar as sedes das prefeituras para balanço, mas não podem deixar de atender a população em serviços essenciais, como saúde e educação. Nos dois setores, as prefeituras de Crato e Acopiara não fecharam.

Leia tudo sobre: possecearácratoacopiara

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas