Haddad vai buscar recursos com convênio e apoio privado

Secretários municipais do prefeito eleito terão a missão de mapear possíveis convênios com os governos estadual e federal e buscar parcerias público-privadas para obras

Agência Estado |

Agência Estado

O time de 26 secretários municipais indicados pelo prefeito eleito de São Paulo, Fernando Haddad (PT), não terá apenas a missão de administrar recursos públicos de acordo com compromissos firmados em campanha. A partir de terça-feira (1º), eles terão também a função de buscar verba para engordar o caixa. A primeira ordem é mapear possíveis convênios com a União e o Estado.

O segundo passo também já está traçado. Para cumprir o ousado plano de governo aprovado nas urnas, avaliado em mais de R$ 20 bilhões, Haddad espera ter o apoio da iniciativa privada. E para essa busca vê no secretário municipal de Finanças, Marcos Cruz, seu principal aliado. Ex-sócio da consultoria McKinsey, o executivo de 37 anos é considerado uma das peças-chave da gestão. Foi escalado para desenvolver um plano de negócios que una a força da máquina pública com a agilidade empresarial.

Leia também:
Haddad vai devolver taxa de inspeção de carros em SP
Pior avaliado desde Pitta, Kassab diz que deixará uma 'São Paulo melhor'

Indicado pelo industrial Jorge Gerdau, criador do Movimento Brasil Competitivo (MBC) - grupo de empresários que busca desenvolver programas de eficiência em todas as esferas de governo -, Cruz tem o aval da presidente Dilma Rousseff , que defende uma política de otimização de recursos. No governo federal, acordo recente entre o MBC e o Ministério do Planejamento rendeu uma auditoria informal, comandada pelo secretário.

Experiente, o novo secretário tem trânsito livre entre líderes partidários do País. Além do PT, já prestou serviços ao PSDB de Minas, ao PMDB do Rio e ao PSB de Pernambuco. Discreto, é avesso a entrevistas, mas sabe como prender a atenção de um grupo de empresários. Aos colegas, costuma dizer que gestão benfeita é o que assegura uma reeleição.

Para aproveitar a influência do executivo no meio empresarial, Haddad entregou a Cruz a missão de firmar parceiras público-privadas (PPPs) para áreas essenciais, como transportes e habitação. No início de dezembro, a convite da Odebrecht, visitou as obras do Porto Maravilha, projeto de revitalização da zona portuária do Rio, consideradas modelo para São Paulo. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

    Leia tudo sobre: haddadprefeiturasão paulospfernando haddad

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG