Kassab sai com a mais baixa avaliação desde Celso Pitta

Segundo pesquisa Ibope, 42% dos paulistanos avaliam gestão do prefeito de São Paulo como ruim ou péssima

Agência Estado | - Atualizada às

Agência Estado

Alan Sampaio / iG Brasília
Gilberto Kassab no Congresso

O prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab (PSD), termina seu segundo mandato com saldo negativo de 15 pontos porcentuais. É o que mostra pesquisa Ibope divulgada com exclusividade pelo Estado. Para 42% dos paulistanos, a gestão de Kassab foi ruim ou péssima. Apenas 27% avaliam que seu governo foi bom ou ótimo.

O prefeito e fundador do PSD chega ao fim do segundo mandato (2009-2012) em situação oposta à que concluiu o seu primeiro termo na Prefeitura de São Paulo (2006-2008). Em outubro de 2008, Kassab tinha saldo positivo de 40 pontos: 54% avaliavam sua gestão como boa/ótima e apenas 14% a consideravam ruim/péssima. Foi a melhor avaliação final de um prefeito paulistano em duas décadas.

Leia também:  Haddad deve 25% de toda a dívida da disputa de 2012

Veja mais:  Kassab confirma convite de Dilma para PSD assumir ministério

Agora, protagoniza o pior fim de mandato de um prefeito paulistano desde o governo Celso Pitta (1997-2000), que concluiu sua gestão com 74 pontos negativos de saldo. As administrações de Paulo Maluf (1993-1996) e Marta Suplicy (2001-2004) chegaram ao fim com saldo mais positivo do que o segundo governo Kassab: 14 e 32 pontos positivos, respectivamente.

A grande diferença entre o primeiro e o segundo mandatos de Kassab ficou evidente nas duas últimas eleições. Em 2008, a imagem do prefeito melhorou ao longo da campanha. Naquela disputa, a propaganda de TV reverteu opiniões negativas, reforçou as positivas e o levou à reeleição. Em 2012, a campanha eleitoral só evidenciou os problemas de seu governo.

No começo de maio, 39% dos paulistanos achavam a gestão Kassab ruim ou péssima - taxa equivalente à dos que a classificavam como regular. No fim de outubro, às vésperas do segundo turno da eleição, 48% dos eleitores já reprovavam seu governo e a taxa de regular caíra para 30%.

Isso aconteceu porque todos os candidatos a prefeito, com exceção de José Serra (PSDB), transformaram Kassab em alvo preferencial. Passado o embate eleitoral, a avaliação do prefeito até melhorou um pouco. Sua taxa de bom e ótimo subiu de 19% para 27%, o ruim/péssimo caiu de 47% para 42% e o déficit de popularidade ficou menor: de 28 foi para 15 pontos negativos.

    Leia tudo sobre: gilberto kassabcelso pittakassab

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG