Dilma deve ir a sete países em 2013

A agenda internacional da presidenta começa em janeiro, quando participa da Cúpula da Comunidade dos Estados Latino-Americanos e Caribenhos

Agência Brasil |

Agência Brasil

A presidenta Dilma Rousseff retoma sua agenda internacional no fim de janeiro de 2013, quando participa da Cúpula da Comunidade dos Estados Latino-Americanos e Caribenhos (Celac) e União Europeia, em Santiago, capital chilena. Até setembro, Dilma deve ir a pelo menos seis países: Chile, Guiné Equatorial, África do Sul, Índia, Rússia e Estados Unidos. A presidenta passará o Natal e o Ano-Novo no Brasil. Ela pretende ficar em Brasília no Natal e depois seguirá para a Base Naval de Aratu, na Bahia.

Transparência:  Dilma reduz quase à metade contatos com imprensa em 2012

Balanço 2012: Sem articulação política, Dilma encerra ano com derrotas no Congresso

Pesquisa: Dilma e Lula lideram intenções de votos para a Presidência

A agenda internacional da presidenta costuma ser alterada com frequência, pois há convites que surgem de última hora e fatores internos que acabam interferindo, como questões que ela quer acompanhar de perto. Porém, a cada fim de ano é organizada um cronograma de viagens com uma série de programações.

Reuters
Na última viagem do ano, Dilma enfrentou frio de 9ºC negativos em visita a Moscou, na Rússia

No Chile, durante a Cúpula Celac-União Europeia, o tema que deve prevalecer nas discussões é a questão econômica e comercial. Alguns países sul-americanos reclamam das barreiras econômicas impostas pelos europeus aos seus produtos. Porém, outros, como a Bolívia, mantêm acordos de livre comércio com a União Europeia (que reúne 27 países).

Nos dias 22 e 23 de fevereiro, a presidenta deve participar da Cúpula América do Sul-África, na cidade de Malabo, capital da Guiné Equatorial. A cúpula foi adiada algumas vezes em decorrência da instabilidade interna em alguns países da região, como o Egito, a Guiné-Bissau, Tunísia, Madagascar, o Níger e Mali.

Aniversário: Dilma completa 65 anos em visita oficial à Rússia

Popularidade: Aprovação do governo Dilma se mantém em 62%, aponta Ibope

No fim de março, Dilma deve participar da Cúpula dos Brics (que reúne Brasil, a Rússia, Índia, China e África do Sul), em Durban, na África do Sul. Em junho, será a vez de ela participar da Cúpula Ibas (Índia, Brasil e África do Sul), em Nova Délhi, na Índia.

Em setembro, a presidenta tem programadas duas viagens internacionais. Nos dias 5 e 6, deve ir a São Petersburgo, na Rússia, para a Cúpula do G20 (grupo que reúne as 20 maiores economias do mundo) e, no fim do mês, participa da abertura da Assembleia Geral das Nações Unidas, em Nova York, nos Estados Unidos. Tradicionalmente, ela é a primeira a discursar.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG