'Minha geração sentiu na carne o abuso e a truculência do Estado', diz Dilma

Em entrega de prêmio sobre direitos humanos, presidenta fez referência à sua luta contra a ditadura, afirmou que o assunto a comove e elogiou a Comissão da Verdade

Agência Estado |

Agência Estado

A presidenta Dilma Rousseff disse nesta segunda-feira (17) que a sua geração "sentiu na carne" o abuso e a truculência do Estado, ao fazer referência ao seu passado de contestação à ditadura militar. O comentário foi feito na solenidade de entrega do Prêmio Direitos Humanos, no Palácio do Itamaraty, em Brasília.

Veja o especial do iG sobre a Comissão da Verdade

Leia também: Historiador diz que Brasil foi protagonista na Operação Condor

Dilma ressaltou que a questão dos direitos humanos marcou sua "vida pessoal". "Esse assunto, além de ser importante, ele me comove porque a minha geração sentiu na carne o abuso do poder, a truculência do Estado, e sabe perfeitamente como é importante e fundamental o respeito pelos direitos humanos. Sabe que esse é um pilar fundamental de uma sociedade democrática, não existe nada mais importante do que os seres humanos em qualquer esfera da nossa atividade", afirmou.

Leia mais:  Comissão da Verdade recebe documentos sobre morte de Rubens Paiva

Roberto Stuckert Filho/PR
Dilma entrega prêmio de direitos humanos a Dom Pedro Casaldáliga representado pelo Bispo Dom Tomás Balduíno

A presidenta destacou os trabalhos da Comissão da Verdade , que tem entre os objetivos "esclarecer os fatos e as circunstâncias dos casos de graves violações de direitos humanos" entre 1946 e 1988 e "promover o esclarecimento circunstanciado dos casos de torturas, mortes, desaparecimentos forçados, ocultação de cadáveres e sua autoria". A presidente anunciou os sete integrantes da comissão em maio passado.

"Gostaria de falar do trabalho que a Comissão da Verdade está executando, (de) recuperar parte da nossa história, aquela parte que ainda não foi contada, sobre aqueles anos em que o poder do Estado não respeitou os direitos básicos de seus cidadãos", afirmou Dilma, durante a entrega do prêmio. Entre os premiados da solenidade estão o Grupo Arco-Íris de Cidadania (na categoria "garantia de direitos à população LGBT"), Tim Lopes ("mídia e direitos humanos"), Pastor Djalma Rosa Torres ("diversidade religiosa") e menção honrosa ao Levante Popular da Juventude de São Paulo.

"Essa cerimônia é muito importante porque os premiados dão voz aos que não têm voz, falam por aqueles que ninguém defende, agem pelos que não têm poder, vocês atuam contra aquilo que uma sociedade tem de pior, vocês lutam pela redução das desigualdades, contra as injustiças para tornar o nosso mundo muito melhor", disse Dilma.

Dilma defendeu que o Estado ofereça serviços públicos de qualidade para a população, sem se esquecer de considerar as minorias. "O Estado deve destinar seus recursos e seus esforços para oferecer à população serviços públicos de qualidade, sobretudo saúde e educação e oportunidades, mas o Estado deve dedicar sua maior atenção aos vulneráveis, aos excluídos e as minorias, aos que são objeto de preconceito, aos que são tratados sem levar em consideração o pleno potencial do seu desenvolvimento", discursou a presidente.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG