Celso de Mello tem alta, mas volta para julgar mensalão no STF ainda é incerta

Ministro foi internado com suspeita de pneumonia, que não foi confirmada, e agora permanece em repouso domiciliar; ele passará por nova avaliação médica antes do retorno

Agência Brasil |

Agência Brasil

O ministro Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), recebeu alta médica nesta sexta-feira (14) e poderá voltar ao trabalho na próxima segunda-feira (17), quando acontecerá a penúltima sessão do ano do julgamento do mensalão. O ministro estava internado desde quarta-feira (12) com suspeita de pneumonia, que não foi confirmada.

Leia mais: Celso de Mello é internado e STF suspende julgamento do mensalão

Saiba mais: Celso de Mello se manifestou contra cassação de mandato em 1995

Poder Online: 'Não vou cumprir decisão do STF sobre mandatos', diz Marco Maia ao iG

ABr/Wilson Dias
Após suspeita de pneumonia, o ministro Celso de Mello se recupera em casa

Segundo a assessoria de imprensa do STF, Mello recebeu alta do Hospital do Coração de Brasília esta tarde e já seguiu para casa. As análises médicas detectaram infecção de vias aéreas superiores e o ministro permanece com estrita recomendação de repouso domiciliar.

O ministro será avaliado diariamente, e se estiver em boas condições de saúde, deverá comparecer no plenário do STF na próxima segunda-feira para participar do julgamento ddo mensalão, que está em sua fase final. Ele dará o voto de desempate sobre a questão da perda de mandato de parlamentares.

Leia também: Maratona do julgamento do mensalão já cansa ministros do Supremo

Confira a cobertura completa do iG sobre o julgamento do mensalão

Celso de Mello não estava se sentindo bem desde terça-feira (11) à noite. Medicado, ele deixou de participar da sessão de quarta-feira, e foi internado na mesma noite. Como o voto do ministro é essencial para a conclusão do julgamento, a ação penal do mensalão foi retirada da pauta de quarta e quinta-feira, e os ministros analisaram outros processos.

A última sessão do STF no ano é na próxima quarta-feira (19). Caso a ação penal não seja concluída até lá, deverá ficar para o ano que vem. O STF volta do recesso em fevereiro.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG