Dilma atribui a Lula 'nova etapa' de combate à corrupção no Brasil

Em entrevista ao jornal Le Monde, presidenta afirmou que agora o Ministério Público é independente e a Polícia Federal investiga, prende e pune': 'Eu não tolero corrupção'

BBC |

BBC

A presidenta Dilma Rousseff atribuiu, em entrevista ao jornal Le Monde, ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva "uma nova etapa de governança" no Brasil. "O Ministério Público é independente e a Polícia Federal investiga, prende e pune. E quem começou essa nova etapa de governança foi o ex-presidente Lula", afirmou a presidenta ao jornal.

Leia mais:  Depoimento de Valério contra Lula é 'lamentável', diz Dilma

Acusação: Valério diz que mensalão pagou despesas pessoais de Lula

PT: Declaração de Valério é 'tentativa desesperada' para reduzir pena, diz Falcão

"Eu não tolero a corrupção e meu governo também não. Se as suspeitas forem fundamentadas, a pessoa tem de deixar o cargo. É necessário, claro, não confundir essas investigações com a caça às bruxas que ocorre nos regimes totalitários", disse Dilma. "Todos que utilizam recursos públicos devem prestar contas, caso contrário a corrupção se alastra."

O vespertino francês, com a data de sexta-feira, publica uma grande foto de Dilma na capa, com o título, entre aspas, "Eu não tolero a corrupção". O Le Monde escreve sobre as recentes denúncias envolvendo Lula, acusado de envolvimento no mensalão pelo condenado como operador do esquema, Marcos Valério, segundo revelações do jornal O Estado de São Paulo, que teve acesso a um depoimento de Valério à Procuradoria Geral da República.

Leia também: ‘Não posso acreditar em mentira’, diz Lula sobre acusações de Valério

De acordo com Valério, Lula teria dado seu aval para empréstimos bancários que ajudaram a financiar o mensalão e teria tido parte de suas despesas pessoais pagas com os recursos utilizados para a compra de votos de parlamentares. Lula disse que as declarações são uma "mentira".

'Instituições virtuosas'

Ao Le Monde, Dilma afirmou também que "não são as pessoas que devem ser virtuosas, mas as instituições" e que a sociedade deve ter acesso a todos os dados governamentais.

Dilma encerrou ontem uma visita de Estado de dois dias à França. Na terça-feira, a presidenta declarara, em uma coletiva conjunta com o líder francês, François Hollande, considerar "lamentável essa tentativa de desgastar a imagem de Lula".

A entrevista exclusiva de Dilma ao Le Monde, realizada na quarta-feira, pouco antes de a presidenta viajar para a Rússia, aborda também a fraca taxa de crescimento da economia brasileira, a desigualdade social e até a questão dos índios e a usina hidrelétrica de Belo Monte.

Dilma afirmou ainda que "não é o momento" de pensar em sua reeleição e que isso seria "colocar a carroça antes dos bois", já que ela ainda tem "dois anos intensos de governo pela frente".

A presidenta declarou ao jornal que a economia brasileira "está em uma frase de transição", se referindo às recentes reduções nas taxas de juros do País, que provocaram mudanças na rentabilidade dos investimentos financeiros. "O aumento do investimento produtivo ainda não foi substituído pela queda dos investimentos financeiros", explicou Dilma, acrescentando que a valorização do real prejudicou a economia brasileira.

Trem e petróleo

Dilma também reiterou declarações feitas durante um evento com empresários franceses, na quarta-feira, de que o Brasil vai investir em infraestrutura e elevar sua competitividade para estimular o crescimento econômico. "Se não aumentarmos os níveis de investimentos (em infraestrutura), não atingiremos um crescimento acelerado, capaz de dar continuidade à inclusão social", afirmou.

"Nós lançamos nesta quinta-feira o edital para a licitação do Trem de Alta Velocidade. Dois blocos de petróleo em águas profundas serão licitados em 2013 (em março e novembro). Nós abriremos portos e aumentaremos a capacidade dos aeroportos e também vamos construir 15 mil quilômetros de ferrovias." "Agora, queremos superar os obstáculos ao crescimento com a redução dos encargos trabalhistas, a expansão do crédito, mas sem bolhas, e a desvalorização do real", afirmou a presidenta ao jornal.

    Leia tudo sobre: dilmalulacorrupçãole mondefrança

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG