Diário Oficial publica exoneração de Paulo Vieira da ANA

Ex-diretor da Agência Nacional de Águas é investigado pela Operação Porto Seguro da Polícia Federal; ele chegou a ser preso durante a ação, mas responde em liberdade

Agência Brasil |

Agência Brasil

A edição desta sexta-feira do Diário Oficial da União traz publicada a exoneração do ex-diretor da Agência Nacional de Águas (ANA) Paulo Rodrigues Vieira, investigado pela Operação Porto Seguro da Polícia Federal (PF). Vieira estava entre as seis pessoas presas há quase duas semanas por suspeita de participar do esquema que fraudava pareceres técnicos do governo federal, mas obteve habeas corpus e responde ao processo em liberdade. O ex-diretor já estava afastado de suas funções.

Mais:  Paulo Vieira queria disputar vaga de deputado federal pelo PT

A partir da denúncia, as investigações apontaram para uma quadrilha que atuava em várias agências reguladoras intermediando interesses de empresas privadas mediante pagamento de propina. A ex-chefe de gabinete da Presidência da República, em São Paulo, Rosemary Noronha é apontada como a responsável por indicações de funcionários corruptos nas agências reguladoras do governo e por ter recebido pagamentos em troca de favores.

Adams nega saída do cargo e diz que ex-auxiliar não tinha 'poder de decisão'

Leia também: Advogado-geral da União é vaiado antes de depor ao Congresso

Ontem (6), em depoimento no Senado, o diretor-presidente da Agência Nacional de Águas, Vicente Andreu Guillo, descreveu Vieira como uma pessoa complicada, vaidosa e com pretensões políticas. Desejava ser deputado e até chegou a dizer que poderia ser nomeado ministro do Meio Ambiente.

Apesar de o investigado ocupar um cargo de diretoria na agência, o diretor-presidente da ANA garantiu aos senadores que não há risco de que alguma decisão da agência tenha sido tomada irregularmente. " [Tenho] completa convicção de que nada envolveu a ANA nos seus procedimentos regulatórios. Não houve fiscalização motivada por pedido do Paulo. Não houve outorga motivada por pedido pessoal do Paulo. Não houve contrato. Nada, nada. Nada aconteceu em função da deliberação dele”, disse Vicente Andreu.


    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG