Tucanos são contrários à indicação de Aécio Neves à Presidência em 2014

Para os senadores Aloysio Nunes e Alvaro Dias, não é hora de tratar de eleição

Agência Estado |

Agência Estado

Ao contrário do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso e do presidente do PSDB, deputado Sérgio Guerra, que lançaram nesta segunda-feira (3) a candidatura do senador Aécio Neves (MG) à Presidência da República em 2014, os senadores tucanos Aloysio Nunes Ferreira (SP) e Alvaro Dias (PR) entendem que não é hora de tratar da eleição.

Evento tucano:  PSDB lança Aécio Neves como candidato em 2014

Agência Brasil
PSDB lança Aécio à Presidência em 2014 em evento com FHC e a cúpula do partido em Brasília

Aloysio acredita que o partido deve, primeiramente, cuidar de questões internas. Cita como exemplo a escolha dos dirigentes tucanos nos municípios e Estados e a discussão e atualização do programa do partido. "A eleição da direção nacional deve ser o coroamento desse processo", alega. "Aécio sabe administrar bem o seu calendário, mas antes vamos ter de passar por um processo de definição interna do partido", acrescenta o Aloysio Nunes Ferreira.

Poder Online: PSB de Campos também quer Aécio em 2014

Leia mais: De olho em 2014, PSDB já fala em reformular marketing eleitoral

O senador Alvaro Dias acredita que o partido deve escolher o nome do candidato ouvindo seus filiados numa eleição primária. Argumenta que a iniciativa fortaleceria o PSDB, valorizando as lideranças do partido. "E o partido possui um bom número deles", afirma, citando entre eles o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin. "A abertura para participação direta da militância na escolha do candidato seria o caminho para o fortalecimento do partido", reitera.

Saiba mais: Fernando Henrique diz que PSDB precisa de renovação

Leia também: 'Renovação é o que todos os partidos buscam', diz Aécio ao iG

Líder do PSDB, Alvaro Dias considera legal que Fernando Henrique Cardoso e Sérgio Guerra tenham suas preferências, mas insiste na tese de oferecer à militância do partido a oportunidade de participar do projeto. Outro ponto defendido pelo líder é que a indicação de um nome para disputar a Presidência da República pode ser prematura, "porque a população não está ainda interessada no processo eleitoral de 2014". Argumenta, ainda, que a colocação de um candidato com tanta antecedência vai favorecer os adversários "que não cuidarão de procurar as virtudes do indicado e, sim, os seus defeitos".

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG