Justiça mantém liberdade de Cachoeira

Por dois votos a um, tribunal rejeitou recurso do Ministério Público contra a soltura do bicheiro há duas semanas de presídio do Distrito Federal

Agência Estado |

Agência Estado

O Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1), com sede em Brasília, decidiu nesta segunda-feira (3) manter o contraventor Carlinhos Cachoeira em liberdade. Por dois votos a um, os desembargadores da 3ª Turma do tribunal rejeitaram recurso do Ministério Público Federal que desejava colocar Cachoeira novamente na prisão e confirmaram liminar que, no dia 15 de outubro, havia determinado a soltura dele.

Especial: Confira a cobertura completa do iG sobre a CPI do Cachoeira

Leia também: Após julgamento, Carlinhos Cachoeira deixa o presídio da Papuda

Futura Press
Ao lado da mulher, Andressa Mendonça, Carlinhos Cachoeira deixou hospital em Goiânia na sexta

Cachoeira foi solto há duas semanas após ter conseguido outra decisão que, embora o tenha condenado a cinco anos de prisão por envolvimento em irregularidades no sistema de transporte público do Distrito Federal, permitiu-lhe ficar em liberdade. O contraventor passou 265 dias preso, acusado pela Polícia Federal na Operação Monte Carlo de liderar uma rede de jogos ilegais.

No julgamento do mérito do habeas corpus pelo TRF-1, o relator do recurso no Ministério Público, desembargador Tourinho Neto, manteve sua decisão liminar segundo a qual a culpa pelo excesso de prazo para o cumprimento de diligências do processo é do juiz de primeira instância, Alderico Rocha dos Santos. O desembargador Cândido Ribeiro acompanhou o voto do relator.

Estresse pós-prisão:  Cachoeira recebe alta de hospital em Goiânia

Na 3ª Turma, a desembargadora Mônica Sifuentes foi a única a se manifestar a favor do retorno de Cachoeira para a prisão. Segundo ela, o próprio tribunal tem entendimento firmado de que o excesso de prazo na instrução de um processo é cabível diante de casos complexos. O Ministério Público ainda não se pronunciou se vai recorrer da decisão.

O colegiado ainda deve apreciar hoje um recurso do MP que cobra nova prisão a Adriano Aprígio, ex-cunhado de Cachoeira. Ele ficou 17 dias preso em julho, por suspeita de ter ameaçado em e-mails uma procuradora da República responsável por denunciar criminalmente o contraventor e o grupo dele.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG