STF termina fase de imputação de penas nesta quarta-feira

Somente para estipulação de tempo de prisão, corte precisou de dez sessões; expectativa é que julgamento termine na próxima semana

Wilson Lima - iG Brasília |

O Supremo Tribunal Federal (STF) conclui nesta quarta-feira (28) a fase de imputação de penas contra os 25 réus do julgamento do mensalão . Apenas três condenados ainda não sabem o seu período de reclusão: o ex-deputado federal Roberto Jefferson (PTB-SP), delator do esquema; o ex-presidente da Câmara, João Paulo Cunha e o tesoureiro do PTB, Emerson Palmieri.

Veja o especial do iG sobre o julgamento do mensalão

Agência STF
Ministros devem completar nesta quarta-feira a determinação das penas aos réus do julgamento do mensalão


Novo ministro:  Zavascki diz que chance de votar penas do mensalão é 'nula'

João Paulo Cunha , Palmieri e Jefferson foram condenados pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Cunha também foi condenado pelo crime de peculato.

Advogados de réus do mensalão acreditam que, com base no que vem definindo o Supremo em relação a outros indiciados, a expectativa é que Jefferson e Palmieri sejam condenados a cerca de seis anos de prisão, o que resultaria em um regime semiaberto. Já Cunha deve ser condenado a pelo menos nove anos de reclusão, passível de cumprimento em regime fechado.

Destino do parlamentar:  Mensalão tira Valdemar Costa Neto da política até 2029

Ex-presidente do PP: Pedro Corrês é condenado a mais de 9 anos de prisão

Existe a possibilidade dos ministros do Supremo discutirem uma pena menor contra Roberto Jefferson. Nos autos, ele admitiu que recebeu cerca de R$ 4 milhões do PT, mas alegou que os recursos eram fruto de dívidas de campanha das eleições de 2004. O Supremo entendeu que o dinheiro serviu para articular apoio do PTB à base do governo.

O próprio relator do processo do mensalão e presidente do STF, Joaquim Barbosa, já sinaliza que pretende pedir uma pena menor contra Jefferson, porque na fase de instrução ele prestou algumas informações consideradas vitais para a condenação de outros integrantes do processo, como o ex-ministro chefe da Casa Civil, José Dirceu e o ex-tesoureiro do PT, Delúbio Soares .

Parlamentares:  STF livra políticos da base aliada de cumprir pena em regime fechado

A defesa de Jefferson não admite o termo “delação premiada”, mas reconhece que ele poderia ser “melhor utilizado” na fase de investigação. “Mas em vez de utilizá-lo como testemunha, Roberto Jefferson virou réu”, disse o advogado de Jefferson, Luiz Francisco Corrêa Barbosa.

A sessão desta quarta-feira será a 10ª para a definição de dosimetria. O tempo que o Supremo demorou para concluir as penas dos réus é três vezes superior àquele que vinha imaginando o ministro Joaquim Barbosa. A maior celeridade ocorreu justamente nas duas sessões comandadas por ele, em que o Supremo conseguiu impor pena contra 12 dos 25 réus.

Alguns ministros, como o revisor do processo, Ricardo Lewandowski, atribui essa rapidez ao fato de a Corte ter conseguido determinar uma metodologia para a imputação de penas, passando primeiro pela análise de réus com a maior quantidade de crimes, como o operador do mensalão, Marcos Valério .

Esta será a última sessão da semana, já que na quinta-feira haverá a solenidade de posse do novo ministro do Supremo, Teori Zavascki .

Ele não participará da dosimetria , mas nada o impede de participar do final do julgamento do mensalão, durante a análise das questões constitucionais pendentes no caso: como a expedição imediata do mandado de prisão e a perda de mandato automática para deputados condenados.

Ele pode participar, mesmo sem ter lido os autos, porque esses casos não necessariamente estão ligados ao processo em si.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG