PF tem 600 páginas de investigação da ex-chefe de gabinete da Presidência em SP

Procuradora Suzana Faribanks nega existência de telefonemas de Lula para Rosemary e diz que ex-ministro José Dirceu, apesar de citado, não tem relação direta no esquema

Agência Brasil | - Atualizada às

Agência Brasil

A Polícia Federal (PF) e a Procuradoria da República em São Paulo têm 600 páginas com conteúdo da investigação sobre a ex-chefe de gabinete da Presidência da República em São Paulo, Rosemary Nóvoa de Noronha. Ela é acusada de participar de um esquema criminoso infiltrado em órgãos federais, alvo da Operação Porto Seguro , deflagrada na última sexta-feira (23).

A Casa Civil exonerou Rosemary do cargo , na última segunda-feira (28), e abriu investigação interna sobre o caso. A PF recolheu e fez cópia da memória de computadores e documentos em posse da ex-chefe de gabinete. Sua sala, no escritório da Presidência da República em São Paulo, e sua casa foram alvo de ação da PF .

Delator do esquema:  'Ex-auditor do TCU é corrupto que sofreu golpe', diz procuradora

Leia mais: TCU apura envolvimento de servidores em esquema alvo da PF

De acordo com a procuradora da República Suzana Fairbanks, que coordenou a investigação no Ministério Público Federal (MPF) em São Paulo em conjunto com a PF, Rosemary tinha acesso a pessoas com “os cargos mais altos” do governo e vendia sua influência.

Ela, segundo a procuradora, é que teria conseguido a nomeação, em maio de 2010, do diretor de Hidrologia da Agência Nacional de Águas (ANA), Paulo Rodrigues Vieira, e do diretor de Infraestrutura Aeroportuária da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), Rubens Carlos Vieira. Os irmãos são acusados de chefiar a quadrilha.

Rosemary: Filha de ex-chefe de gabinete da Presidência é exonerada

Leia mais: Dilma manda revisar todos os atos de investigados em operação da PF

“Eles sabiam que ela tinha acesso a gente privilegiada dentro do governo. Tanto que se utilizava desse cargo, e aí é que está o crime, para fazer contatos de interesse deles. Agendamento de reunião com políticos, nomeação deles nas agências reguladoras. Ela ficava lá, pegando no pé do pessoal do alto escalão, porque tinha essa proximidade, tinha proximidade física”, disse a procuradora na noite dessa terça-feira (27).

“Ela debate muito com eles, ‘vou falar com fulano, vou falar com sicrano’. Mas eu não sei exatamente com quem ela conseguiu isso ( as nomeações ). O fato é que estava tentando e ela estava veementemente trabalhando nisso”, acrescentou.

São Paulo: Governo publica exoneração de chefe de gabinete da Presidência

Sábado: Dilma decide demitir chefe de gabinete em SP e outros indiciados pela PF

O pagamento pelas nomeações e outros “favores” dela eram feitos, por exemplo, com dinheiro para cirurgias e novas nomeações, agora realizadas pelos irmãos Vieira, em benefício de Rosemary.

“(A nomeação d) a filha dela (Mirelle Nóvoa de Noronha, assessora técnica da Diretoria de Infraestrutura Aeroportuária da Anac), ela enfiou goela abaixo do Rubens (diretor da Anac). Ele falava: ‘ainda vou ter que aguentar essa’. Ele fala isso para o Paulo (Vieira, seu irmão), como um pagamento dos favores dela. Eles ficaram pagando o favor dela dos cargos por mais de ano”, ressalta a procuradora. Mirelle foi exonerada ontem (27) do cargo.

“De amizade (entre Rosemary e os irmãos Vieira) não tinha nada, porque era uma cobrança mútua e constante, e bem às claras. A prova dos autos comprova tudo isso”, acrescentou a procuradora.

Fairbanks disse ainda que a influência de Rosemary não se alterou depois do governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva , gestão em que foi nomeada. A procuradora afastou também a possibilidade de ela ter negociado com o ex-presidente. “Conversa dela com o Lula não existe. Nem conversa, nem áudio e nem e-mail. Se tivesse, nós já não estaríamos mais com a investigação aqui”.

A procuradora ainda rebateu a informação de que ocorreram centenas de telefonemas entre a ex-chefe de gabinete e Lula. “Eu não sei de onde saiu isso, porque nunca tive acesso a isso. Vocês podem virar de ponta cabeça o inquérito, em toda a investigação”.

Sobre o ex-ministro José Dirceu, Suzana disse que, apesar de ele ter sido citado nos e-mails de Rosemary, não há indícios de sua participação no esquema. “Não tem uma relação direta dele (Dirceu) de sociedade (no esquema) ou de eventual lucro”, destacou.

A procuradora disse que ainda poderá pedir a prisão de Rosemary “de acordo com a necessidade da investigação”, que depende da averiguação do material apreendido. Rosemary responde pelos crimes de tráfico de influência e corrupção passiva.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG