Dilma cancela viagem de Estado ao Peru por 'agenda interna'

Presidenta participaria de cúpula de países sul-americanos, mas até sexta precisa decidir sobre a mudança na distribuição dos royalties de petróleo

Reuters |

Reuters

A presidenta Dilma Rousseff cancelou viagem ao Peru, onde participaria de cúpula de países sul-americanos no final desta semana, devido a "compromissos de agenda interna", informou nesta terça-feira a Secretaria de Comunicação da Presidência da República.

Rio:  Protesto contra mudança nos royalties de petróleo causa tumulto

Rio de Janeiro: Cabral diz que, sem royalties, não tem como pagar dívida com a União

De acordo com duas fontes ligadas ao governo ouvidas pela Reuters, a presidenta decidiu cancelar sua ida ao Peru por conta do aumento da pressão do Rio de Janeiro em torno da decisão que Dilma terá de tomar até sexta-feira sobre a nova divisão dos royalties da exploração do petróleo.

O texto aprovado pela Câmara reduz a participação da União e de Estados e municípios produtores e eleva o recebimento dos recursos pelos não produtores. O projeto contraria os interesses dos Estados produtores e do governo federal, já que prevê nova divisão sobre royalties de blocos de petróleo leiloados pelo modelo anterior, o de concessão, o que eles avaliam como uma quebra de contrato.

Prazo final: Dilma Rousseff terá até dia 30 para sancionar lei de royalties

Royalties: Governador do Espírito Santo faz apelo por veto de Dilma a projeto

A presidenta planeja um veto parcial ao projeto, propondo que Rio de Janeiro e Espírito Santo, os dois Estados que hoje têm a maior produção petrolífera no País, continuem recebendo o nível de royalties que eles tiveram em 2011, disse à Reuters uma fonte familiarizada com o assunto.

Dilma participaria de cúpula da União das Nações Sul-Americanas (Unasul) em Lima e deveria embarcar para o país andino na quinta-feira.

A presidenta deve ter pela frente uma semana intensa e, além da questão dos royalties, deve acompanhar também os desdobramentos da Operação Porto Seguro da Polícia Federal , que investiga o envolvimento de servidores do Executivo e de agências reguladoras num esquema que obtinha pareceres técnicos fraudulentos que eram vendidos para empresas interessadas.

A PF indiciou 18 pessoas como integrantes do esquema, entre elas a chefe de gabinete da Presidência em São Paulo, Rosemary Novoa de Noronha, e o advogado-geral adjunto da União, José Weber de Holanda Alves. Os dois foram exonerados de suas funções pela presidenta.

Dilma tem, ainda, uma visita agendada para Buenos Aires na quarta-feira, onde deverá se reunir com a presidenta argentina, Cristina Kirchner. Ela retornará a Brasília no fim do dia, segundo o cronograma inicial.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG