Cargos e liberação de emendas ditam fidelidade da base de Dilma

Em vez de solução, base gigantesca no Congresso vive em disputas internas e sempre condiciona apoio a governo a postos em ministérios e estatais e a dinheiro de emendas

Agência Estado | - Atualizada às

Agência Estado

Os números oficiais arquivados nos gabinetes dos líderes do governo na Câmara e no Senado são claros. Com 366 deputados e 63 senadores, a base governista no Congresso domina 71,3% da Câmara e 77,7% do Senado, porcentual mais do que suficiente para aprovar emendas constitucionais, rejeitar projetos inoportunos, atropelar a oposição e deixar a presidenta Dilma Rousseff governar em paz. Mas na prática não é bem assim.

Base aliada: Fidelidade da Câmara a Dilma cai ao nível mais baixo

André Dusek/AE
Plenário Câmara (foto de arquivo)

Em vez de ser uma solução para os problemas do governo, a base gigantesca da presidenta no Congresso é um dos motivos das dores de cabeça de Dilma, pois vive em brigas e disputas internas e cobra caro o apoio, sempre exigindo cargos em ministérios e estatais e liberação do dinheiro de emendas parlamentares.

"É uma base problemática, desobediente, que precisa ser enquadrada", admitiu o líder do PT na Câmara, Jilmar Tatto, futuro secretário de Transportes de São Paulo .

Dois casos recentes ilustram a forma como os parlamentares da base votam e "traem". Em setembro, a Câmara aplicou uma surra no governo durante a votação do Código Florestal, obrigando a presidenta Dilma a vetar boa parte da medida provisória que havia sido editada justamente para corrigir problemas de uma decisão anterior do Congresso sobre o mesmo assunto e sobre a qual já havia sido derrotada.

Disputa:  Congresso aprova Código Florestal e Dilma prepara veto

Antes da votação, a comissão especial que examinava a medida provisória ignorou todas as recomendações da presidenta e fez um acordo entre ambientalistas e ruralistas que a irritou profundamente. A ponto de a presidenta aproveitar uma solenidade pública no Palácio do Planalto para escrever um bilhete às ministras Ideli Salvatti (Relações Institucionais) e Izabella Teixeira (Meio Ambiente) e indagar que acordo era aquele. O Estado registrou a bronca em foto.

Há dez dias, a Câmara tornou a ignorar as articulações do Planalto e novamente derrotou o governo na votação do projeto de lei que estabeleceu o novo regime de concessão de exploração de poços de gás e petróleo e de partilha dos royalties do petróleo.

De nada adiantaram os apelos do líder do governo na Câmara, Arlindo Chinaglia (PT-SP), para que na votação os deputados respeitassem contratos já assinados. Do jeito que o projeto foi aprovado, contratos serão quebrados. A presidenta tem até dia 30 para sancionar ou vetar a proposta.

Leia também: Câmara rejeita texto que prevê 100% da verba dos royalties para educação

Royalties do petróleo: Projeto aprovado favorece os Estados não produtores

Cobrança

Um deputado que integra a direção nacional do PT e preside uma das mais importantes comissões do Congresso disse que seu maior problema nas votações é causado sempre pelos parlamentares da base. São eles que mais exigem. Sabendo disso, a oposição faz acordos com eles para determinados assuntos, de forma que é difícil aprovar uma proposta de interesse do governo. Há sempre a exigência de uma retribuição, com ênfase para a liberação do dinheiro das emendas.

Como a presidenta nunca enviou ao Congresso emendas constitucionais importantes - quando se exige fidelidade de 308 deputados e 49 senadores -, a base governista tem servido apenas para evitar que a oposição aprove a criação de CPIs. Todos os pedidos que chegam e representam algum perigo para o governo são arquivados.

A exceção foi a CPI do Cachoeira , destinada a investigar as ligações do contraventor Carlinhos Cachoeira com políticos e empresários. Mas ela é um caso à parte. Ela foi incentivada pelo próprio PT, como uma forma de ofuscar o julgamento do mensalão pelo Supremo Tribunal Federal. Não adiantou. De sua parte, o governo manteve o domínio dela.

Nenhum requerimento que pudesse levar perigo ao Planalto foi aprovado. "Pelo menos nesse caso, a base foi de grande serventia para o governo", lembrou o deputado Lúcio Vieira Lima (PMDB-BA).

    Leia tudo sobre: dilma rousseffcongresso nacionalbase aliada

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG