Presidente da Casa, o deputado Marco Maia, afirmou que será feita análise sobre qual o procedimento deve ser tomado com passaporte diplomático do réu do mensalão

Agência Estado

O presidente da Câmara, deputado Marco Maia (PT-RS), divulgou nota nesta quarta-feira informando que o deputado Pedro Henry (PP-MT), um dos 25 condenados pelo Supremo Tribunal Federal (STF) no processo do mensalão, entregou o seu passaporte diplomático à presidência da Casa, na noite de terça-feira (13). Maia explicou que a Secretaria-Geral da Mesa fará uma "análise técnica sobre qual procedimento a Câmara deverá tomar".

Acompanhe o especial iG sobre o julgamento do mensalão

Saiba mais: Pedro Henry é o único que não entregou passaporte

"Dado ao inusitado do caso, a Câmara tomará todos os cuidados jurídicos para preservar a instituição e apresentará o parecer técnico com maior celeridade possível", diz a nota de Maia. Além de Henry, outros dois condenados possuem passaportes diplomáticos: os deputados João Paulo Cunha (PT-SP) e Valdemar Costa Neto (PR-SP). Ambos entregaram os documentos ao Supremo na noite de terça-feira.

Leia também: 23 réus do mensalão já entregaram passaportes

Os parlamentares usufruem de passaporte diplomático emitido pelo Ministério das Relações Exteriores por força de decreto de 2006, que regulamenta esse tipo de documento. O passaporte diplomático é considerado um direito dos deputados e dos senadores e o seu recolhimento pode ser considerado pela Câmara como uma intervenção do Poder Judiciário no Legislativo. A entrega do passaporte foi fixada para todos os réus condenados pelo ministro relator do mensalão, Joaquim Barbosa, para evitar fugas ao exterior. O ministro atendeu ao pedido do Ministério Público.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.