Irmão diz que Genoino não tem dinheiro para pagar multa imposta pelo STF

Ex-presidente do PT foi condenado a quase sete anos de prisão e ao pagamento de cerca de R$ 468 mil. 'Nem se vender a casa onde mora terá como pagar essa multa', diz irmão

Agência Brasil |

Agência Brasil

O vice-líder do governo na Câmara, deputado José Guimarães (PT-CE), irmão do ex-presidente do PT José Genoino, saiu em defesa do irmão, que foi condenado como réu do processo do mensalão , a seis anos e 11 meses de prisão pelos crimes de formação de quadrilha e corrupção ativa, além do pagamento 180 dias-multa de dez salários mínimos cada (R$ 468 mil em valores não atualizados).

Leia também:  Defesa de Genoino diz que houve 'injustiça' em aplicação de pena

Saiba mais: Genoino é condenado a quase 7 anos por quadrilha e corrupção ativa

Agência Brasil
Genoino foi condenado a quase sete anos de reclusão e multa de quase R$ 500 mil


A pena ainda pode ser alterada pelos ministros do Supremo, mas inicialmente deve ser cumprida em regime semiaberto porque ficou abaixo de oito anos. Para Guimarães, Genoino é inocente. “Se existirem três pessoas honestas no Brasil, Genoino é uma delas”, disse.

Segundo ele, o ex-presidente do PT é de origem pobre e, mesmo que vendesse a casa onde mora, não teria condições de pagar a multa fixada pelos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF).

Julgamento: Definição de penas de réus do PT ocorreu sem a presença dos advogados

“Nem se vender a casa que mora ( no bairro paulista ) no Butantã, ele não terá como pagar essa multa. A gente é de família pobre, cresceu no Ceará tomando leite de cabra. Ele vai lutar em todas as esferas do Judiciário para provar sua inocência. Se o PT fizer vaquinha, serei o primeiro a entrar na cota”, declarou Guimarães.

Dirceu: STF condena Dirceu a 10 anos e 10 meses de prisão no julgamento do mensalão

Delúbio: Pena de Delúbio passa dos 8 anos de prisão por quadrilha e corrupção ativa

Em relação à corrupção ativa de parlamentares da base aliada, a maioria dos ministros seguiu o voto de Joaquim Barbosa, para fixar pena de quatro anos e oito meses de prisão, além de 180 dias-multa de dez salários mínimos cada (R$ 468 mil em valores não atualizados). A faixa de punição para corrupção ativa é dois a 12 anos de prisão.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG