Haddad deve manter número de secretarias na Prefeitura de São Paulo

Prefeito eleito afirmou que vai criar duas novas pastas, mas não vai aumentar o número atual de 27 secretarias; ele anunciou nomes de cinco secretários

Ricardo Galhardo - iG São Paulo |

O prefeito eleito de São Paulo, Fernando Haddad (PT), vai manter o número atual de 27 secretarias na administração municipal. Haddad disse nesta segunda-feira que vai criar duas novas pastas, da Mulher e da Igualdade Racial, previstas em seu programa de governo.

Leia mais:  Haddad anuncia primeiros nomes do secretariado

Massonetto: Braço direito de Haddad é nome certo no novo governo

Segundo pessoas próximas ao prefeito eleito, ele vai fundir algumas secretarias para manter o número de pastas. Assim, as funções hoje a cargo das secretarias de Controle Urbano e Desenvolvimento Econômico devem ser incorporadas a outras pastas como Finanças, Planejamento e Desenvolvimento Urbano.

Tripoli: Líder do governo Kassab na Câmara será secretário do Verde de SP

Pressão por cargos: "Não vou fazer toma lá dá cá'', diz Haddad

“Haverá pequenas mudanças. Algumas delas já anunciadas no programa de governo como a Secretaria das Mulheres e Secretaria da Igualdade Racial”, disse Haddad, hoje, ao anunciar os primeiros cinco nomes de seu secretariado.

No anúncio Haddad chegou a falar em 25 secretarias mas, segundo auxiliares, foi um ato falho.

Com os ajustes, a configuração da administração municipal ficará muito parecida com a da gestão Marta Suplicy (PT). No entanto, a gestão política da prefeitura terá grandes diferenças em relação à da atual ministra da Cultura.

Leia também: Haddad deve dar novo fôlego ao modelo de subprefeituras em São Paulo

Marta governou cercada por um pequeno círculo de colaboradores próximos que se revezaram nas funções mais importantes do governo. Este círculo ficou conhecido no PT como o “grupo da Marta” e era formado por Rui Falcão, Jilmar Tatto, Carlos Zaratini, Vladimir Garreta e José Américo.

Haddad disse hoje que pretende fazer um governo de coalizão, aberto, com participação dos partidos aliados e setores da sociedade.

“Não é se fechando em um pequeno grupo que você vai governar uma cidade com a complexidade de São Paulo”, disse ele.

O prefeito eleito pretende definir a maioria dos nomes do primeiro escalão até o final do mês. Enquanto isso, recebe indicações e demandas de partidos aliados e correntes internas do PT.

O prefeito eleito disse também que vai reavaliar a atual estrutura de descentralização administrativa. Existe a possibilidade de serem criadas duas novas subprefeituras.

Hoje Haddad esteve reunido com o ministro das Cidades, Agnaldo Ribeiro, com quem falou de parcerias nas áreas de habitação e transportes e da participação do PP na administração. Ribeiro, artífice da aliança com o PT, foi escolhido pelo PP para negociar em nome do partido.

Na sexta-feira, Haddad esteve com o ministro das Fazenda, Guido Mantega, para falar sobre a renegociação da dívida do município com a União. O prefeito eleito disse não ser o único interessado na renegociação, que também é pretendida por outros prefeitos e governadores.

“Não sou só eu que proponho (a renegociação). O País tem que encontrar uma saída para superar este problema que afeta vários entes da federação”. Disse Haddad.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG