Comissão da Verdade vai discutir atuação de igrejas durante regime militar

Órgão quer investigar papel de religiosos na resistência ao regime e na colaboração com a repressão

Agência Brasil |

Agência Brasil

A Comissão Nacional da Verdade criou um grupo de trabalho para analisar o papel das igrejas católica e a evangélica durante o regime militar (1964-1985). A primeira reunião será realizada na quinta-feira (8), em São Paulo. O grupo pretende aprofundar as discussões sobre a atuação que as igrejas e os religiosos tiveram tanto na resistência ao regime militar quanto na colaboração com a repressão.

Especial: Leia a cobertura completa do iG sobre a Comissão da Verdade

O trabalho do grupo será todo desenvolvido com a assessoria de pesquisadores autônomos e da sociedade civil especializados em ciências da religião, história e sociologia. No primeiro encontro, eles apresentarão os temas de pesquisa e farão o planejamento da agenda de trabalho para os próximos meses. A coordenação dos trabalhos é do professor Paulo Sérgio Pinheiro, membro da comissão.

Leia também: Arquivos da ditadura que estão em Roma serão digitalizados até 2013

Na próxima semana, entre os dias 16 e 18, a Comissão Nacional da Verdade terá atividades no interior do Pará para averiguar questões referentes à Guerrilha do Araguaia, ocorrida no período de 1960 a 1970. Um dos temas será a análise sobre a atuação na guerrilha da etnia Suruí, que atualmente vive na Terra Indígena Sororó. Há controvérsias sobre o assunto apesar de existir informações sobre a exploração de indígenas desse grupo pelos militares.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG