Eleito vereador, ex-ministro de FHC quer 'fim de regalias' na Câmara de Recife

Raul Jungmann e outros três vereadores de oposição divulgaram uma carta de compromissos em que defendem o fim de benefícios como o auxílio-paletó

Agência Estado |

Agência Estado

Os vereadores oposição eleitos para a Câmara de Recife - Raul Jungmann (PPS), Priscila Krause (DEM), Aline Mariano (PMDB) e André Régis (PSDB) - divulgaram uma carta de compromissos em que defendem a extinção de benefícios como o auxílio-paletó (14º e 15º salários) e duodécimo da Câmara e a criação de mecanismos de fiscalização e de assistência técnica aos parlamentares. Eles são apenas quatro vereadores contra 35 da base governista. 

Especial: Confira a cobertura completa do iG sobre as eleições 2012

Urnas:  Candidato de Campos vence no 1º turno e tira PT do Recife após 12 anos

Agência Câmara
Eleito vereador de Recife, Jungman lidera movimento para acabar com benefícios na Câmara

O objetivo é abrir o debate na Casa, discutir seus rumos, buscar transformar o perfil clientelista que, de acordo com o ex-ministro da Reforma Agrária do governo Fernando Henrique Cardoso, o vereador eleito Raul Jungmann, domina não somente a Câmara Municipal da capital pernambucana, mas de todo o País. A meta é o fortalecimento da Casa, ampliação da sua autonomia e transparência.

A carta será entregue aos cinco candidatos da base governista à presidência da Casa - representantes do PSB, PMDB, PTC e PTB -, a entidades da sociedade civil e também ao prefeito eleito, Geraldo Julio, lançado pelo governador Eduardo Campos (PSB) e vitorioso no primeiro turno.

O candidato à presidência da Câmara que assumir as propostas da oposição contará com seu apoio e votos. "Não nos importa os nomes, queremos a defesa dessas ideias e propostas", afirmou Jungmann, porta-voz do grupo. Se depois de uma semana, nenhum deles acatar as premissas, o grupo poderá lançar um "anticandidato".

PSDB:  Para novos nomes, apoio da velha guarda é essencial para renovação

Para Jungmann, a eleição do Legislativo municipal é "invisível", é uma representação baseada no voto assistencial - diante de necessidades não satisfeitas do povo e a incapacidade do poder público de atendê-las. E depois da eleição não há questionamento, não se discute rumos.

O grupo defende a criação de uma corregedoria para cuidar das questões disciplinares, quebra de decoro, reclamações contra os parlamentares, e também consultoria técnica para dar suporte aos vereadores na elaboração de leis. Prega também a criação de uma comissão para definir parâmetros de aumento salarial. Atualmente o salário do vereador recifense é de R$ 15 mil brutos.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG