PT já começa a discutir eleição de 2014 em São Paulo

Executiva deu início a debate formal sobre a corrida ao governo do Estado e deve definir calendário nos próximos dias

Ricardo Galhardo - iG São Paulo |

Dois dias depois do fim das eleições municipais, o PT de São Paulo já começou formalmente a planejar a disputa pelo governo de São Paulo em 2014. A executiva estadual do partido vai definir um calendário nos próximos dias. O objetivo é identificar os pré-candidatos ainda neste ano e definir o candidato no primeiro semestre do ano que vem.

“Queremos fechar o primeiro semestre do ano que vem com o nome definido. Vamos enfrentar a máquina do governo do Estado e para isso vamos ter que colocar nosso candidato para viajar”, disse o presidente estadual do PT, Edinho Silva.

Especial: Confira a cobertura completa do iG sobre as eleições municipais

Leia também: PT quer definir candidato ao governo do Estado até 2013

Além disso, o PT quer evitar que a escolha do candidato seja influenciada pelo Processo de Eleições Diretas (PED) para as direções partidárias, marcado para novembro de 2013.

Os nomes mais citados até agora são os dos ministros Alexandre Padilha (Saúde), Aloizio Mercadante (Educação) e Marta Suplicy (Cultura). Os prefeitos de São Bernardo, Luiz Marinho, e Osasco, Emidio de Souza, correm por fora e o senador Eduardo Suplicy ameaça entrar na disputa caso enfrente concorrência interna pela vaga ao Senado em 2014.

AE
Presidente do PT, Edinho Silva espera definição rápida do candidato ao governo do Estado

Todos eles serão consultados antes do final do ano. A partir da definição dos pré-candidatos, o PT vai definir os critérios para escolha do nome de preferência sem a realização de prévias. Os principais destes critérios devem ser as palavras do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e da presidenta Dilma Rousseff que, segundo Edinho, serão “definidores” da disputa.

Ainda na euforia pela vitória de Fernando Haddad (PT) na capital, os petistas são unânimes em dizer que nunca o partido teve condições tão favoráveis para quebrar a hegemonia tucana em São Paulo iniciada com Mário Covas em 1995.

Saiba mais: 'Eu sou o segundo poste de Lula', diz Haddad após vitória

“A eleição municipal de 2012 mudou toda a configuração de forças no Estado”, disse Edinho. “Temos toda condição de construir um campo capaz de contestar o projeto do PSDB em São Paulo”, completou.

Segundo Edinho, outra vantagem é o fato de o PT ter construído a política de alianças para 2012 de olho em 2014. O partido subiu de 63 para 68 prefeituras no Estado em relação a 2008, um avanço numericamente pequeno, mas outras 55 cidades terão vice-prefeitos do PT.

O maior trunfo do partido, no entanto, é o que os petistas chamam de “aspecto qualitativo” das vitórias. Ao contrário de eleições anteriores, o PT venceu em cidades estrategicamente importantes, com grande eleitorado e retransmissoras de TV que irradiam as políticas do partido para a região. Graças a isso o PT, que governava 17% da população paulista, vai administrar a partir de 2013 45% dos habitantes do Estado, cerca de 18 milhões de pessoas.

“É o melhor balanço do PT no estado de São Paulo em toda a história do partido”, resumiu Edinho.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG