Reforma de secretariado de Alckmin pode abrigar serristas

Prevista para ocorrer até o fim do ano, reforma vai abrir espaço para aliados do candidato derrotado do PSDB à Prefeitura de São Paulo, José Serra

Agência Estado |

Agência Estado

A reforma do secretariado do governo de Geraldo Alckmin (PSDB), prevista para ocorrer até o fim do ano, vai abrir espaço para aliados do candidato derrotado do partido a prefeito da capital paulista, José Serra . A indicação de nomes próximos seria uma maneira de prestigiá-lo e abrigar o seu grupo político.

Veja o especial do iG sobre as eleições 2012

Leia também: Fernando Haddad vence José Serra e é eleito prefeito de São Paulo

Aliados de Serra afirmam que a Secretaria da Saúde poderia abrigar o prefeito de Piracicaba, Barjas Negri, que foi seu braço direito no Ministério da Saúde e depois comandou a pasta. Embora considerem pouco provável, os serristas não descartam a nomeação do próprio ex-governador.

Alckmin, no entanto, ainda não deu indicativos de que pretende mexer na Saúde. A reforma do secretariado será precipitada pela saída do secretário da Casa Civil, Sidney Beraldo, que será indicado para o Tribunal de Contas do Estado (TCE).

Saiba mais: Após derrota, tucanos enxergam no Senado destino eleitoral de Serra

Alckmin: "Perder faz parte do processo democrático"

Para reforçar negociações com aliados e o andamento das obras do Estado nos próximos anos, com vistas à reeleição, Alckmin estuda dividir a pasta em duas: uma dedicada à articulação política e outra para a coordenação de projetos. O favorito para a primeira secretaria é Edson Aparecido, que coordenou a campanha de Serra. A pasta que comandará as obras pode ficar com Marcos Monteiro, atual presidente da Imprensa Oficial.

Alckmin está hesitante em relação à criação de mais uma secretaria, mas pode tomar a decisão caso consiga fundir outras duas pastas - as mais prováveis são Recursos Hídricos e Saneamento.

Mensalão: Eleição dá cara nova ao PT, que tenta compensar desgaste do escândalo

Leia: Alckmin desconversa sobre impacto de eleição em eventual nova candidatura

Entre as secretarias cotadas para a troca de comando estão Agricultura, Desenvolvimento Econômico, Desenvolvimento Metropolitano, Habitação e Justiça.

Além de Barjas Negri, o governo pode acolher outros prefeitos do PSDB, que ficarão sem mandato a partir de 2013, como o prefeito de São José dos Campos, Eduardo Cury, e o prefeito de Sorocaba, Vitor Lippi. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo .

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG