‘Há um medo de que essa CPI se torne um escândalo’, diz líder do PSDB no Senado

Oposição quer prorrogar as investigações da CPI do Cachoeira por 180 dias; já o presidente da comissão defende um prazo de 45 dias para terminar os trabalhos

Nivaldo Souza - iG Brasília | - Atualizada às

O líder do PSDB no Senado, senador Alvaro Dias (PR), disse nesta terça-feira que a prorrogação da CPI do Cachoeira por 45 dias demonstra “que há um medo de ver essa comissão se tornar um escândalo no País”. Esse prazo de prorrogação é o que será proposto pelo presidente da CPI, Vital do Rêgo (PMDB-PB), enquanto a oposição defende 180 dias a mais de trabalhos a partir de 4 de novembro, quando termina o prazo oficial das investigações do grupo. “Há muito receio de que a CPI possa apresentar um escândalo monumental no País”, afirmou o senador.

Cachoeira: Presidente da CPI indicará mais 45 dias para investigação

O líder tucano defendeu a extensão da investigação por 180 dias para avançar na apuração de mais 29 empresas laranjas, cujo sigilo fiscal ainda não foi quebrado, a maior parte delas operando fora da região Centro-Oeste especialmente em Goiás, onde a CPI concentra suas ações. “Essa CPI poderia ser chamada de CPI das empreiteiras porque muitas delas poderiam ser investigadas”, disse Dias.

Leia também: Suplente de Blairo Maggi contrata namorada de ex-diretor do Dnit

Leia mais: Prorrogação da CPI pode render 'relatório mais aperfeiçoado', diz relator

Na avaliação do líder tucano, restringir a investigação apenas à atuação da construtora Delta e do bicheiro Carlinhos Cachoeira é deixar de apurar o avanço de empresas laranjas em contratos assinados para obras em outros Estados.

As lideranças partidárias decidem nesta terça-feira qual o prazo de prorrogação da CPI. Existe uma força-tarefa no Senado e Câmara liderada pelo senador do PSOL, Randolfe Rodrigues (AP) e pelo deputado Onyx Lorenzoni (DEM-RS) para colher as assinaturas necessárias para estender por 180 dias a CPI. Randolfe informou que já teria 35 no Senado, das 27 necessárias. Já Lorenzoni ainda não atingiu as 171 adesões na Câmara. “Ainda não conseguimos, estamos com 100 assinaturas”.

    Leia tudo sobre: cpi do cachoeiraalvaro dias

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG