Haddad afirma que não vê o PSD de Kassab como oposição ao seu governo

Prefeito eleito de São Paulo afirma que terá reunião com governador Geraldo Alckmin e com prefeito Gilberto Kassab amanhã

Agência Estado |

Agência Estado

O prefeito eleito de São Paulo, Fernando Haddad , afirmou que mantém um bom diálogo com o atual prefeito Gilberto Kassab , e que não vê "hipótese" de o PSD fazer oposição sistemática ao seu governo na Câmara Municipal de São Paulo. "Não imagino o PSD fazendo oposição sistemática", disse o petista, em entrevista coletiva concedida na tarde desta segunda-feira, informando que amanhã, terça (30), ele se reunirá com Kassab e com o governador Geraldo Alckmin (PSDB).

Veja o especial do iG sobre as eleições 2012

Futura Press
O prefeito eleito de São Paulo, Fernando Haddad, durante coletiva no Hotel Intercontinental, em São Paulo


Leia:  Haddad tem encontro com Dilma para acertar parcerias com governo federal

No momento em que a legenda liderada por Kassab se aproxima do governo federal, Haddad disse conhecer alguns vereadores eleitos pelo PSD. Citando o atual presidente da Câmara, José Police Neto, o prefeito eleito afirmou que acredita no apoio de partidos que fazem oposição ao PT. "Acho que vai haver um bom entendimento", reiterou. No entanto, Haddad disse que ainda não há tratativas para uma aproximação formal entre PT e PSD na cidade de São Paulo.

No encontro que terá nesta terça com Alckmin, Haddad disse que tem expectativas positivas em relação ao trabalho em conjunto com o governador. Haddad contou que recebeu no final da noite de domingo, após a proclamação do resultado das urnas, a ligação do governador. Aos jornalistas, Haddad disse que sempre colocará o interesse público acima das divergências partidárias.

Leia também: Fernando Haddad vence José Serra e é eleito prefeito de São Paulo

Braço direito:  Luís Massonetto é tido como nome certo no novo governo

O prefeito eleito enfatizou que pretende continuar e aprofundar os projetos em curso entre os governos municipal e estadual e que está disposto a discutir a construção de creches em terrenos cedidos pelo Estado ao lado de estações de trem. "É dever do prefeito buscar a qualidade de vida de sua gente", pregou o petista, que também se ofereceu para colaborar na área de segurança.

Dilma

Nesta manhã, Haddad se reuniu com a presidenta Dilma Rousseff no Palácio do Planalto, onde foi estabelecida a criação de uma equipe de transição para tratar dos assuntos de interesse da capital paulista junto à União, entre eles, a renegociação da dívida do município. O assunto deverá voltar à pauta na próxima semana, quando o novo prefeito se encontrará com o ministro da Fazenda, Guido Mantega.

Discurso de Haddad: 'Eu sou o segundo poste do Lula'

De acordo com Haddad, o objetivo é estreitar o relacionamento entre a maior cidade do País e o governo federal. "É uma reconciliação, de certa maneira, de São Paulo com o Brasil, é dessa forma que a periferia também vai se conciliar com o centro ( de São Paulo )", disse o petista.

Maluf

Perguntado sobre a presença do presidente estadual do PP, deputado federal Paulo Maluf, em sua festa da vitória na noite de domingo (28), Haddad lembrou que a aliança com o partido se deu através do ministro das Cidades, Aguinaldo Ribeiro, e que a sua relação com Maluf é institucional. "Trato todo mundo pelo mandato que tem. Trato todo mundo com educação", respondeu.

Paulo Maluf: 'Fui muito importante para a eleição de Haddad'

Após vitória: Haddad agradece Lula e promete "nova São Paulo"

Sobre a composição de seu secretariado, Haddad disse que ainda vai definir os critérios para a indicação de seus auxiliares e que não trabalhará com "indicações de ordem pessoal". "Seremos muito criteriosos na escolha dos nossos colaboradores", avisou. Haddad disse estar aberto para ouvir sugestões "até de quem não é político", como cientistas, artistas, lideranças comunitárias e os seus colaboradores que trabalharam no plano de governo. De acordo com ele, ainda não há negociações para indicações em curso.

Lula

Para o petista, sua vitória se deve a uma soma de fatores, como os apoios construídos durante a campanha, as lideranças do partido, a atuação do governo federal, a militância petista, o seu plano de governo e sua "performance razoável".

"Tivemos uma combinação virtuosa desses fatores", disse. Apesar de considerar difícil quantificar o peso do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva em sua candidatura, Haddad fez questão de enfatizar que sua vitória também é a vitória do ex-presidente. "Não há como negar a vitória do presidente Lula."

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG