Em Belém, PSDB dá virada e tira a prefeitura do PSOL

Zenaldo Coutinho cresceu na campanha para o segundo turno e venceu com 56,61% dos votos válidos na capital do Pará, tirando a vantagem do ex-prefeito Edmilson Rodrigues

iG São Paulo | - Atualizada às

Futura Press
Zenaldo Coutinho (PSDB) é abraçado por correligionários e eleitores após votar em Belém, neste domingo (28/10)

O deputado federal Zenaldo Coutinho (PSDB) é o novo prefeito de Belém. O candidato teve 56,61% dos votos válidos, contra 43,39% de Edmilson Rodrigues, do PSOL. O resultado significou em uma inversão em relação ao primeiro turno, quando Edmilson ficou em primeiro lugar, com 32,58% dos votos válidos e Zenaldo obteve 30,67%.

Apesar da vantagem inicial, a campanha de Rodrigues, que foi prefeito da cidade entre 1997 e 2004, quando ainda era filiado ao PT, sofreu com brigas internas do PSOL e perdeu o apoio de alguns aliados, como o PSTU, por ter aceitado o apoio do PT, inclusive com depoimentos de Lula e da presidenta Dilma Rousseff em sua campanha pela televisão.

Leia também: 
PSDB vira o jogo no segundo turno e afasta PSOL da Prefeitura de Belém
Zenaldo tem 57% dos votos válidos; Edmilson, 43%, diz Ibope em Belém

Isso levou a um mal estar entre seus aliados mais à esquerda, e na segunda-feira (22) o PSTU anunciou sua saída da coligação, alegando que o partido “sucumbiu de vez à lógica do vale tudo” após receber o apoio do PT.

Acompanhe a apuração das capitais ao vivo

Já Zenaldo recebeu no segundo turno apoio tanto de partidos da oposição do governo federal, como o PPS e o PV, quanto de aliados, como o PSB, o PP e o PRB. O governador do Pará, Simão Jatene (PSDB), que tem aprovação de 46% do eleitorado na cidade, apareceu regularmente nas nas propagandas veiculadas no rádio e na televisão e participando de eventos de campanha com o deputado federal. O senador Aécio Neves (PSDB), um dos grandes nomes do partido, também manifestou seu apoio à candidatura de Zenaldo.

Acompanhe a cobertura completa das eleições 2012 

A reta final da campanha em Belém foi marcada por ataques de ambos os lados. A campanha tucana concentrou seus esforços na crítica da aliança entre PSOL e PT, classificando o apoio como “oportunista”. No debate realizado pela TV Bandeirantes na última terça-feira (23), Zenaldo tentou colar a imagem Edmilson aos ex-líderes do PT José Dirceu, José Genoino e Delúbio Soares, condenados pelo Supremo Tribunal Federal (STF) no julgamento do mensalão.

No lado do PSOL, Edmilson usou o chamado mensalão mineiro e a CPI do Cachoeira, que envolvem nomes tucanos como o do ex-governador de Minas Gerais, Eduardo Azeredo, e do governador de Goiás, Marconi Perillo, para criticar Zenaldo. Obras inacabadas do governo do Estado e da gestão do atual prefeito Duciomar Costa (PTB), aliado dos tucanos, como a macrodrenagem do rio Tucunduba, e a falta de investimentos na área de saneamento de abastecimento de água através da Companhia de Saneamento do Pará (COSANPA) também foram foco de críticas.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG