Na ação, o coronel é acusado de ter sequestrado e torturado o corretor de valores Edgar de Aquino Duarte, junto a dois policiais civis, em junho de 1971

Agência Brasil

O Tribunal de Justiça de São Paulo aceitou outra denúncia contra o coronel reformado Carlos Alberto Brilhante Ustra, que comandou o Centro de Operações de Defesa Interna (DOI-Codi) de São Paulo no começo dos anos 1970, conforme informações obtidas pela TV Brasil .

A denúncia é do Ministério Público Federal (MPF) em São Paulo. Na ação do MPF, o coronel reformado é acusado, juntamente aos delegados Alcides Singillo e Carlos Alberto Augusto, ambos da Polícia Civil, de sequestrar e torturar o corretor de valores Edgar de Aquino Duarte, em junho de 1971.

Leia mais:  Coronel Ustra é condenado a pagar R$ 100 mil por tortura durante a ditadura

Advogado de Ustra:  Julgamento do mensalão pode ser usado contra torturadores

Coronel é acusado pelo sequestro e tortura contra o corretor de valores Edgar de Aquino Duarte
AE
Coronel é acusado pelo sequestro e tortura contra o corretor de valores Edgar de Aquino Duarte

Os procuradores disseram na ação que Duarte ficou preso, ilegalmente, nas dependências do DOI-Codi e depois no Departamento de Ordem Política e Social (Dops) de São Paulo até meados de 1973. “O paradeiro da vítima, após 1973, somente é conhecido pelos denunciados”.

Saiba mais sobre o caso:  MP denuncia coronel Ustra por sequestro qualificado

Edgar de Aquino Duarte, nascido em 1941, no interior de Pernambuco, foi fuzileiro naval na juventude. Em 1964, logo após o golpe militar, foi expulso das Forças Armadas, acusado de oposição ao regime. Foi viver no exterior, e voltou ao Brasil em 1968, quando passou a morar em São Paulo, com o falso nome de Ivan Marques Lemos. No final da década de 1970, dividiu apartamento com um antigo colega da Marinha, José Anselmo dos Santos, o Cabo Anselmo, detido pela polícia em 1971.

De acordo com o MPF, vários depoimentos mostram que, na época, Duarte não tinha nenhum envolvimento com qualquer tipo de resistência ao regime militar. Primeiro, montou uma imobiliária e depois passou a trabalhar como corretor da Bolsa de Valores, atividade que exerceu até ser sequestrado. Os procuradores também encontraram documentos do 2º Exército que atestam que Duarte não pertencia a nenhuma organização política e que de fato atuava como corretor de valores.

Leia também: Comissão da Verdade quer ouvir Ustra sobre DOI-Codi

Saiba mais: TJ-SP nega recurso e reconhece coronel Ustra como torturador da ditadura

“Os registros demonstram que Duarte foi citado pelo menos cinco vezes no depoimento prestado pelo Cabo Anselmo ao Dops. Nove dias depois, a vítima foi sequestrada pelo mesmo Carlos Alberto Augusto e mantido ilegalmente na prisão até 1973, quando desapareceu. Há suspeitas de que Duarte foi sequestrado apenas porque conhecia a verdadeira identidade do Cabo Anselmo, informante do regime”, diz o MPF.

A tese do MPF de que o crime cometido contra Edgar de Aquino Duarte não está prescrito é baseada em três decisões do Supremo Tribunal Federal (STF), “que autorizaram a extradição de agentes acusados pelo Estado argentino de participação em sequestros realizados há mais de 30 anos”.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.