Governador de Pernambuco elencou endossos dados a candidatos petistas na eleição e pediu a 'deseleitoralização' do debate após a ida às urnas no próximo domingo

Agência Estado

O governador de Pernambuco e presidente do PSB, Eduardo Campos, reclamou nesta quarta que o PT não retribui na mesma proporção o apoio que recebe de seu partido no segundo turno da eleição municipal. Apesar dessa avaliação, ele insistiu que as alianças do PSB com o PSDB não foram feitas em função das eleições de 2014.

Leia também: Candidato de Eduardo Campos derrota PT no Recife

"No primeiro turno o PSB foi o partido que mais apoiou o PT, mas só é notícia quando a gente não apoia. No segundo turno, o PT disputa em 17 cidades e nós os apoiamos em 11. Nós disputamos em 8 cidades e só em 1 o PT nos apoia, desde o primeiro turno, que é o município de Duque de Caxias (RJ). E esse apoio só veio por uma ação direta da Executiva Nacional do PT e do próprio presidente Lula. Isso é um fato real", afirmou o governador durante visita ao estande de Pernambuco de uma feira internacional de turismo realizada no Rio.

Governador de Pernambuco agradeceu apoio tucano na eleição
AE
Governador de Pernambuco agradeceu apoio tucano na eleição

Campos disse que na manhã desta quarta conversou com o senador e ex-governador mineiro Aécio Neves (PSDB), que esteve em Campinas para apoiar o candidato socialista. Na conversa, Aécio repetiu a brincadeira de que nessas eleições usou mais adesivos do 40 (número do PSB) do que do 45 (número do PSDB). "Recebemos o apoio do PSDB, no segundo turno, em Uberaba e Campinas. Somos gratos por isso. Essas parcerias vêm de algum tempo, não são feitas em função das próximas eleições", disse o governador pernambucano.

Campos insistiu que, depois do próximo domingo, será preciso "deseleitoralizar o debate político no Brasil". O governador lembrou que há uma "pauta muito densa no Congresso" e citou como exemplo a medida provisória para redução da tarifa de energia e o marco regulatório do petróleo. Neste tema existe um conflito entre Estados e municípios que reivindicam maior participação nos royalties do petróleo e Estados produtores como o Rio de Janeiro, do governador Sérgio Cabral (PMDB), e o Espírito Santo, do governador Renato Casagrande (PSB).

Especial: Confira a cobertura completa do iG sobre as eleições 2012

O governador cobrou da União abrir mão de parte dos recursos futuros em favor de Estados e municípios. "Não queremos isolar os governadores Cabral e Casagrande, ninguém vai propor tirar receita do Rio e do Espírito Santo. Queremos uma maneira mais justa de dividir os recursos no futuro. Os municípios vão precisar que a União abra mão de parte da receita. O governo não tem a boa vontade esperada, mas tem alguma boa vontade para que Estados e municípios tenham parte dos royalties para investir em educação, ciência e tecnologia, e não em custeio", afirmou Campos.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.